AVALIAÇÃO DA PRODUÇÃO DE BIOGÁS POR DIGESTÃO ANAERÓBIA DE BIOPOLÍMERO DE AMIDO DE BATATA

Autores

  • Anderson Rodrigo Heydt Universidade Federal do Paraná (UFPR).
  • Paulo André Cremonez Unioeste
  • Thompson Ricardo Weiser Meier Universidade Federal do Paraná (UFPR).
  • Joel Gustavo Teleken Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

DOI:

https://doi.org/10.19177/rgsa.v9e02020311-328

Palavras-chave:

Polímeros biodegradáveis. Degradação. Biogás. Mesofílica. digestão anaeróbia.

Resumo

As energias renováveis são conhecidas mundialmente por mitigarem os impactos ambientais causados pelo uso intensivo dos combustíveis fósseis. Dentre as diversas fontes renováveis a biomassa tem apresentado grande destaque pela diversificação em sua obtenção. Uma fonte de biomassa são os polímeros biodegradáveis, principais substitutos de plásticos sintéticos, produzidos de culturas ricas em carbono como milho, batata e mandioca. O presente trabalho avalia a degradação e o potencial de produção de biogás do biopolímero de amido de batata por digestão anaeróbia em fase mesofílica com os reatores em operação batelada. Foram avaliados parâmetros como: eficiência de remoção de Sólidos Totais Voláteis (STV), Produção Acumulada (PA) de gás e concentração de metano de todos os tratamentos. O tratamento com maior eficiência foi o B7, com adição de 7% de massa de biopolímero de amido de batata por volume de reator, onde os parâmetros de eficiência de STV, PA, concentração de metano no biogás apresentaram valores respectivos de 75,85%, 5629,08 mL e 95,66%. A adição de biopolímero de amido de batata no processo de digestão anaeróbia pode ser vista como uma alternativa, o que antes era considerado um resíduo que causava vários danos ao meio ambiente, pode ser utilizado para geração de um biocombustível, o biogás.

 

Biografia do Autor

Anderson Rodrigo Heydt, Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Graduação em Engenharia de Energia pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). E-mail: andersonrheydt@gmail.com

Paulo André Cremonez, Unioeste

Graduado em Tecnologia em Biocombustíveis pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), mestre em Engenharia de Energia na Agricultura pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE) e Doutor em Engenharia de Energia na Agricultura pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE). E-mail: pa.cremonez@gmail.com

Thompson Ricardo Weiser Meier, Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Doutorando em Engenharia Química pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE), Graduado em Tecnologia em Processos Químicos pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Especialização em Gestão Ambiental com Ênfase em Recursos Hídricos pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) e mestre em Bioenergia pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). E-mail: thomweiser@yahoo.com.br

Joel Gustavo Teleken, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Graduado em Engenharia Química (2007), Mestrado (2009) e doutorado (2013) em Engenharia Química pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). E-mail: joelteleken@gmail.com

Downloads

Publicado

2020-02-21