ESTUDO SOBRE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.19177/rgsa.v10e22021230-244

Palavras-chave:

Resíduos sólidos, Degradação Ambiental, Biodiversidade

Resumo

O descarte irregular de resíduos sólidos pode gerar danos significativos para o ecossistema, poluindo as águas subterrâneas, impactando nichos ecológicos, e causando perda de biodiversidade, entre outros. Diante deste cenário, o presente estudo teve como objetivo investigar como tem sido feita a gestão de resíduos sólidos em Unidades de Conservação (UC). Para tal, foi realizado um levantamento dos planos de manejo de 32 UC, de um total de 55 situadas no Estado do Rio de Janeiro. Com esses dados torna-se possível sugerir estratégias de manejo e de educação ambiental na gestão de resíduos sólidos em outras UC administradas pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). Como também em áreas de preservação de outros países que ainda não têm ações concretas sobre este tema. A partir desta análise, foram identificadas ações relacionadas com gestão de resíduos sólidos que estão alinhadas com a  Lei nº 12.305/10, que instituiu a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), e que podem vir a ser implementadas em outras UC, como por exemplo,  a  instalação de lixeiras de coleta seletiva, a realização de campanhas educativas sobre resíduos sólidos em dias de alta visitação e a avaliação e monitoramento dos diferentes tipos de resíduos e as suas consequências para o meio ambiente a fim de compatibilizar o uso público com a preservação ambiental.

Biografia do Autor

Stéfano Bruno Vieira Gomes, Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (CEFET/RJ)

Aluno do curso de Engenharia Ambiental do Centro Federal Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (CEFET/RJ), foi bolsista de iniciação científica do CNPq no projeto ANÁLISE DOS IMPACTOS DAS TRILHAS ECOLÓGICAS NA BIODIVERSIDADE DO PARQUE NACIONAL DA TIJUCA e do projeto ANÁLISE DOS IMPACTOS DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO SETOR FLORESTA DO PARQUE NACIONAL DA TIJUCA. E atualmente é bolsista de iniciação científica do CNPq no projeto MODELO DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA PROPOSTA DE APLICAÇÃO PARA O PARQUE NACIONAL DA TIJUCA. Tem experiência na área de Ciências Ambientais, com ênfase em Ecologia. Email: stefanogomes@msn.com

Marcelo Borges Rocha, Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (CEFET/RJ)

Graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2000), Mestrado em Educação em Ciências e Saúde - Núcleo de Tecnologia Educacional para a Saúde pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2003) e Doutorado em Ciências Biológicas (Zoologia) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2011). Pós-doutorado em Administração Pública pela EBAPE na Fundação Getúlio Vargas.Atuou como Professor Assistente do Centro Universitário Augusto Motta e da Universidade Estácio de Sá. Tem experiência na área de Educação, Zoologia, Bioquímica e Ecologia, atuando principalmente nos seguintes temas: divulgação científica, taxonomia, biologia molecular e meio ambiente. Atualmente atuo como professor no Ensino Superior e no Programa de Pós Graduação em Ciência, Tecnologia e Educação do Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (CEFET/RJ). Docente de Programas de Pós-graduação na UFRJ. Além disso, sou chefe da Divisão de Editoração, responsável pela Revista Tecnologia e Cultura e coordeno o Laboratório de Divulgação Cientifica e Ensino de Ciências (LABDEC). Atuo como avaliador junto ao INEP/MEC para credenciamento e recredenciamento de cursos superiores no Brasil. Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq - Nível 2.

Downloads

Publicado

2021-06-30

Edição

Seção

Artigos