ATUALIZAÇÕES DA EXPLORAÇÃO DE GÁS NÃO CONVENCIONAL NO BRASIL

Autores

  • Karina Ninni Ramos Universidade de São Paulo (IEE/USP
  • Paola Mercadante Petry USP
  • Hirdan K. de Medeiros Costa USP

DOI:

https://doi.org/10.19177/rgsa.v9e02020237-258

Palavras-chave:

Gás não convencional. Fracking. Mobilização. Questões socioambientais.

Resumo

O gás natural, devido a seu potencial de substituir outros energéticos fósseis mais poluentes e mais emissores de gases-estufa, tem sido aventado como combustível de transição energética. O Brasil, além de reservas de gás natural convencional, tem também reservas de gás de folhelho, considerado não convencional pela natureza de sua exploração. Em 2013, a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) leiloou 240 blocos de exploração, em sua 12ª Rodada de licitações, incluindo recursos não convencionais. A oferta de blocos não convencionais desencadeou um movimento contrário, envolvendo parte da sociedade civil e ONGs, que realizaram campanhas conta o fracking (método não convencional de exploração do recurso). Esse artigo busca analisar do ponto de vista jurídico a atualidade da questão. Também, aponta-se nossa visão sobre a natureza da mobilização, que focou os poderes legislativos municipais de diversas cidades que seriam impactadas pela atividade, e culminou com ações movidas pelo Ministério Público Federal, tendo como resultado a nulidade da rodada. Admite-se que a estratégia das ONGs tenha surtido o efeito esperado, redundando em sucessivas iniciativas de proibição da técnica de fracking em diferentes municípios. Nesse sentido, fazemos também uma breve análise da a Lei 19.878/19, que proíbe totalmente a exploração do gás natural pelo método de fraturamento hidráulico em todo território paranaense, sendo o Paraná o primeiro estado a banir a prática.

 

 

 

 

Biografia do Autor

Karina Ninni Ramos, Universidade de São Paulo (IEE/USP

Jornalista pela Escola de Comunicação e Arte da Universidade de São Paulo, mestre em desenvolvimento sustentável pela UFPA. Aluna de Doutorado no Instituto de Energia e Ambiente, Universidade de São Paulo (IEE/USP - Av. Prof. Luciano Gualberto, 1289 - Vila Universitária, São Paulo/SP, Brasil).  karinaninni@usp.br

Paola Mercadante Petry, USP

Engenheira química pela Escola Politécnica da USP. Aluna de mestrado no IEE/USP. paola.petry@usp.br

Hirdan K. de Medeiros Costa, USP

Advogada e Doutora em Energia. Professora Colaboradora no IEE/USP e Vice-coordenadora do Programa de Políticas de Energia e Economia do Research Centre for Gas Innovation, RCGI/USP. hirdan@usp.br

Downloads

Publicado

2020-02-21