Vozes do bolsa família

a liberdade e subjetividade das mulheres a partir de uma perspectiva crítica ao desenvolvimento

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29293/rdfg.v5i02.240

Palavras-chave:

Feminismo, Igualdade de gênero, Desenvolvimento

Resumo

O presente artigo visa analisar o material coletado a partir de um referencial teórico diferente, com base em teorias feministas e alternativas ao desenvolvimento com base na obra Vozes do Bolsa Família.Parte-se da seguinte problemática: É possível analisar o desenvolvimento sob o viés contra hegemônico desconsiderando os papeis da liberdade e subjetividades das mulheres? A fim de responder o presente questionamento, a metodologia empregada obedece ao trinômio: Teoria de Base/Abordagem, Procedimento e Técnica. Como Teoria de Base e Abordagem optou-se pela perspectiva sistêmica, utilizando-se autores com visão multidisciplinar e conectando áreas do saber como Antropologia, Direito e Sociologia. Os procedimentos elegidos foram a pesquisa bibliográfica e documental (em meios físicos e digitais). A técnica empregada foi a construção de fichamentos e resumos estendidos. Sendo assim, para pensar uma perspectiva diferente é necessário encarar de frente a problemática. A opressão causada pelo desenvolvimentismo do sistema econômico hegemônico reproduz um discurso colonialista, racista, patriarcal e classista e sem abordar a questão a partir desse reconhecimento não se consegue avançar no debate nem pensar novos caminhos.

Biografia do Autor

  • Francielle Benini Agne Tybusch, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Santa Maria, RS, Brasil; Centro Universitário Francisco (UFN), Santa Maria, RS, Brasil.

    Doutora em Direito pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS. Mestre em Direito pela Universidade Federal de Santa Maria - UFSM com bolsa da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Sul, FAPERGS. Bacharel em Direito pela Faculdade Palotina de Santa Maria - FAPAS. Professora do Curso de Direito da Universidade Franciscana - UFN. Professora Substituta do Departamento de Direito da Universidade Federal de Santa Maria - UFSM. Membro da equipe técnica da Revista Direitos Emergentes na Sociedade Global da Universidade Federal de Santa Maria. Integrante do Grupo de Pesquisa em Direito da Sociobiodiversidade (GPDS) da Universidade Federal de Santa Maria - UFSM e do Grupo de Pesquisa em Direito, Risco e Ecocomplexidade da Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS.

  • Nathália Tavares de Souza Almeida, Centro Universitário do Estado do Pará (CESUPA), Belém, PA, Brasil.

    Mestre em Direito e Políticas Públicas do Centro Universitário do Pará (CESUPA). Graduada em Direito pelo Centro Universitário do Estado do Pará (CESUPA). Integrante do Grupo de Pesquisa Direitos dos Povos e Comunidades Tradicionais da Universidade Federal do Pará. Integrante da equipe do Núcleo de Propriedade Intelectual (NUPI-CESUPA), atuando com pesquisa sobre proteção do conhecimento tradicional, notadamente na Amazônia

  • Evilhane Jum Martins, Universidade Federal do Pará (UFPA), Belém, PA, Brasil.

    Doutoranda em Direito pela Universidade Federal do Pará (UFPA), Linha de Pesquisa: Direitos Humanos e Meio Ambiente. Mestre em Direito pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Bacharel em Direito pela Universidade da Região da Campanha (URCAMP). Integrante do Grupo de Pesquisa Direitos dos Povos e Comunidades Tradicionais da Universidade Federal do Pará, integrante do Grupo de Pesquisa em Direito da Sociobiodiversidade da Universidade Federal de Santa Maria e, integrante do Grupo de Pesquisa Tutela de Direitos e sua Efetividade vinculado à Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões. Realiza pesquisas no âmbito da América Latina que congregam os seguintes ares do saber: Jurisdição e Processo na contemporaneidade, Direito Internacional Público, Direito Ambiental, Direito e Sustentabilidade, Ecologia Política e Geopolítica Ambiental. Autora do livro: “A encruzilhada sul-americana na economia dos agrotóxicos: o cenário geopolítico ambiental e as implicações no tratamento jurídico e ecológico”.

Downloads

Publicado

2019-03-09

Edição

Seção

Artigos

Como Citar

Vozes do bolsa família: a liberdade e subjetividade das mulheres a partir de uma perspectiva crítica ao desenvolvimento. Revista de Direito da Faculdade Guanambi, Guanambi, v. 5, n. 02, p. 226–247, 2019. DOI: 10.29293/rdfg.v5i02.240. Disponível em: https://portaldeperiodicos.animaeducacao.com.br/index.php/RDFG/article/view/13906.. Acesso em: 17 jun. 2024.