GESTÃO DE RISCO DE DESASTRES NATURAIS NA COLÔMBIA: ESTUDO DE CASO, DESASTRE HIDROLÓGICO NO MUNICÍPIO DE MOCOA – PUTUMAYO

Autores

  • Fernando Campo Zambrano UFRGS
  • Masato Kobiyama UFRGS
  • Maurício Andrades Paixão UFRGS).
  • Jean Alexander Leon Guevara UMARIANA
  • Beatriz Eugenia Narváez Arturo UMARIANA

DOI:

https://doi.org/10.19177/rgsa.v7e02018135-151

Palavras-chave:

Gestão de desastres. Desastre hidrológico. Município de Mocoa.

Resumo

A Gestão de Risco de Desastres Naturais na Colômbia está estruturada a partir do Plano Nacional de Gestão de Risco de Desastres (PNGRD) criado a partir da lei 1.523 de 2012, onde seus principais componentes baseiam-se no conhecimento, redução e manejo do risco. Estas etapas procuram dar proteção à população, melhorar a segurança e qualidade de vida e contribuir com o desenvolvimento sustentável do país. No entanto, em 31/03/2017 o município de Mocoa, estado de Putumayo - Colômbia sofreu um desastre por fluxo de detritos, causando grandes prejuízos socioeconômicos, ambientais e perdas humanas. Assim, o presente trabalho teve como objetivo realizar uma avaliação sobre a gestão de desastres naturais na Colômbia a partir da caracterização do desastre ocorrido no Município de Mocoa. Além disso, analisaram-se seus fatores e mecanismos de ocorrência do fenômeno, bem como da ocorrência do desastre. O fenômeno atingiu grande parte da área urbana causando destruição em mais de 25 bairros da cidade, à infraestrutura de serviços básicos e ocasionou a morte de 332 pessoas. Este fenômeno foi causado por uma intensa precipitação de 129 mm em 3 horas e intensificado pelo terreno declivoso. Isto produziu em torno de 600 escorregamentos translacionais, cuja maioria atingiu os canais dos rios nas três sub-bacias que envolvem o município. No entanto, este desastre poderia ter sido evitado se as autoridades encarregadas houvessem tomado as medidas preventivas necessárias, seguindo a estrutura do plano nacional. Porém, as etapas de recuperação e reconstrução estão sendo realizadas de uma maneira efetiva. Desta forma, o entendimento dos mecanismos de ocorrência do fenômeno se faz uma tarefa importante para realizar um bom gerenciamento de desastres, tanto na contribuição sobre o entendimento deste tipo de fenômeno, como na capacitação da população local de se proteger a desastres futuros, sendo esta uma etapa na estrutura de gestão proposta no PNGRD e que necessita ter uma maior importância.

 

Biografia do Autor

Fernando Campo Zambrano, UFRGS

Doutorando em Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental do Instituto de Pesquisas Hidráulicas (IPH) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). E-mail: fernando.zambrano@ufrgs.br

Masato Kobiyama, UFRGS

Professor do Instituto de Pesquisas Hidráulicas (IPH) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Av. Bento Gonçalves, 9500 – 91501-970 – Porto Alegre – Brasil. E-mail: masato.kobiyama@ufrgs.br

Maurício Andrades Paixão, UFRGS).

Doutorando em Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental do Instituto de Pesquisas Hidráulicas (IPH) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). E-mail: mauricio.paixao@ufrgs.br

Jean Alexander Leon Guevara, UMARIANA

Professor da Universidade Mariana (UMARIANA) Calle 18 No. 34-104 Pasto – Nariño – Colômbia. E-mail:jleon@umariana.edu.co

Beatriz Eugenia Narváez Arturo, UMARIANA

Professora da Universidade Mariana (UMARIANA) Calle 18 No. 34-104 Pasto – Nariño – Colômbia. E-mail: bnarvaeza@umariana.edu.co

Downloads

Publicado

2018-08-15