MODELO MATEMÁTICO PARA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL: O CASO DOS NÚCLEOS MARABÁ PIONEIRA E NOVA MARABÁ, MARABÁ - PA

Autores

  • Antonio Pereira Junior Universidade do Estado do Pará.
  • Gabriela Pardinho Oliveira Universidade do Estado do Pará
  • Jessica Almeida Nicacio Universidade do Estado do Pará
  • Layla Jamim de Souza Farias Universidade do Estado do Pará
  • Sarah Maria de Souza Farias Universidade do Estado do Pará
  • Savannah Tamara Lemos da Costa Universidade do Estado do Pará

DOI:

https://doi.org/10.19177/rgsa.v6e32017405-423

Palavras-chave:

Impactos Ambientais, Qualidade Ambiental, Matriz de Leopold.

Resumo

A aplicação da Avaliação de Impacto Ambiental (AIA) é eficiente na prevenção da degradação ambiental e na elevação da qualidade de vida. Essa pesquisa teve como objetivo calcular e comparar o Índice da Qualidade Ambiental (IQA) dos núcleos Marabá Pioneira e Nova Marabá, localizados na cidade de Marabá-PA.  A metodologia aplicada foi a observativa, sistemática, complementada com o levantamento de dados documentais, cujo recorte temporal situou-se entre 2007 e 2016. O uso da matriz de Leopold adaptada, e de modelo matemático para cálculo do IQA que, nessa pesquisa, foi constituído de três indicadores: saneamento básico, infraestrutura urbana e conforto ambiental, e nove variáveis ambientais: abastecimento de água, esgotamento sanitário, limpeza urbana, tratamento de resíduos, pavimentação das vias, iluminação pública, drenagem urbana, cobertura vegetal e emissão de ruídos, para tal, aplicou-se a estatística descritiva: média, desvio padrão, coeficiente de variação e correlação de Pearson, com o uso do software BioEstat 5.3. A análise dos dados obtidos indicou que o núcleo Nova Marabá apresenta maior IQA (43,6%) em relação a Marabá Pioneira (42,9%). Para a qualidade urbana ambiental satisfatória, ambos os núcleos necessitam ampliar a distribuição de água potável, criar uma Estação de Tratamento de Efluentes (ETE), realizar o descarte ambientalmente adequado de resíduos sólidos, construir redes de drenagem pluvial, instalar iluminação nas vias públicas e aumentar as áreas verdes com o plantio de espécies endêmicas para melhorar a qualidade de vida da população.

Biografia do Autor

Antonio Pereira Junior, Universidade do Estado do Pará.

 Biólogo, especialista em Planejamento e Gerenciamento de Águas; especialista em Gestão Hídrica e Ambiental; Mestre em Ciências Ambientais. Universidade do Estado do Pará.

Gabriela Pardinho Oliveira, Universidade do Estado do Pará

Departamento de Eng. Ambiental. Universidade do Estado do Pará.

Jessica Almeida Nicacio, Universidade do Estado do Pará

Departamento de Eng. Ambiental. Universidade do Estado do Pará

Layla Jamim de Souza Farias, Universidade do Estado do Pará

Departamento de Eng. Ambiental. Universidade do Estado do Pará.

Sarah Maria de Souza Farias, Universidade do Estado do Pará

Departamento de Eng. Ambiental. Universidade do Estado do Pará.

Savannah Tamara Lemos da Costa, Universidade do Estado do Pará

Departamento de Eng. Ambiental. Universidade do Estado do Pará.

Downloads

Publicado

2017-11-09

Edição

Seção

Artigos