BARREIRAS IMPOSTAS PELA CULTURA NA IMPLANTAÇÃO DE BALANCED SCORECARD EM UMA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

Autores

  • Danilo Dias Pereira Universidade de Ribeirão Preto
  • Leonardo Augusto Amaral Terra Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.19177/reen.v9e120163-25

Palavras-chave:

Balanced Scorecard, Soft Systems Methodology, Cultura Organizacional.

Resumo

O objetivo deste artigo é explorar o desenvolvimento de barreiras impostas pela cultura organizacional na implantação de Balanced Scorecards (BSC), através estudo em uma grande indústria de alimentos. O artigo contempla a abordagem da cultura organizacional em uma visão sistêmica, suportada pela metodologia de P. Checkland - Soft Systems Methodology, com a criação de modelos para posterior análise das relações entre os atores.A principal barreira cultural identificada foi a falha no processo de transferência do conhecimento. Os autores propõem a utilização de reforços positivos nos operadores que detém o conhecimento, de modo a difundi-lo em toda a unidade.

Biografia do Autor

Danilo Dias Pereira, Universidade de Ribeirão Preto

Bacharel em Engenharia de Produção pela Universidade de Ribeirão Preto.

Leonardo Augusto Amaral Terra, Universidade de São Paulo

Bacharel em Administração de Empresas pela Universidade de São Paulo, com MBA Executivo em Gerenciamento de Projetos pela Fundação Getúlio Vargas, Mestrado e Doutorado em Ciências no programa de Administração de Organizações da Universidade de São Paulo. Atua nas áreas de Economia de Empresas e Estratégia, Dinâmica Socioeconômica, Processos de Interação Humana e Comunicação e Enfoque Sistêmico na Administração e na Economia.
Vencedor do prêmio West Churchman de pesquisa sistêmica de 2014.

Referências

BARRETO, L. M. T. S.; KISHORE, A.; REIS, G. G.; BAPTISTA, L. L.; MEDEIROS, C. A. F. Cultura organizacional e liderança: uma relação possível?. Revista de Administração, v. 48, n. 1, p. 34-52, 2013.

BERNSTORFF, B. W.; COSTA, A. M.; GIRARDI, D. A Contribuição Do Balanced Scorecardcomo Instrumento De Gestão Organizacional. Revista de Administração, v. 2, n. 3, p. 22, 2003.

BON, A. T.; MUSTAFA, E. M. A. Impact of Total Quality Management-Based People Management Practices on Administrative Innovation In Service Smes. Middle-East Journal of Scientific Research, v. 19, n. 9, p. 1162-1168, 2014. Disponível em: < http://www.idosi.org/mejsr/mejsr19(9)14/7.pdf >. Acesso em: 20 mai. 2015.

CEZARINO, O. L.; LIBONI, L.; MARTINELLI, D. P. Metodologia SSM e sua aplicação na intervenção organizacional em uma empresa de propaganda. 1º Congresso Brasileiro de Sistemas, 2005. Disponível em: < http://legacy.unifacef.com.br/quartocbs/arquivos/08.pdf >. Acesso em: 20 mai. 2015.

CHECKLAND, P. Soft Systems Methodology: A Thirty Year Retrospective (a). Systems Research and Behavioral Science, v. 17, n. S1, p. S11-S58, 2000.

DOMINGUES, C. R.; BUENO, J. M. Impacto Da Resistência À Mudança Na Implantação Do Balanced Score Card. 2004. Revista da FAE. Disponível em: <http://www.unifae.br/publicacoes/pdf/art_cie/art_21.pdf >. Acesso em: 10 mar. 2014.

DRUCKER, P. Desafios Gerenciais para o Século XXI. São Paulo: Pioneira, 1999.

FEROLLA, L. M. Processos colaborativos na gestão pública: estudo das relações estabelecidas no contexto do Programa Nacional de Educação do Campo. Dissertação de Mestrado. Departamento de Administração, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2013. 204 p.

FLEURY, M. T. L. Organizational culture and the renewal of competences. BAR - Brasilian Administration Review, v. 6, n. 1, p. 14, 2009.

FREITAS, M. E. Cultura organizacional: Grandes temas em debate. RAE-Revista de Administração de Empresas, v. 31, n. 3, p. 10, 1991.

FREZATTI, F.; RELVAS, T. R. S.; JUNQUEIRA, E. BSC e a Estrutura de Atributos da Contabilidade Gerencial: uma Análise no Ambiente Brasileiro. RAE-Revista de Administração de Empresas, v. 50, n. 2, p. 12, 2010.

FURLAN JR, V.; CARDOS, A. A.; CHAVES, C. A. Estudo de Aderência da implantação de um programa de melhoria contínua às práticas de gerenciamento de projeto. Revista de Ciências Exatas, v. 16, n. 1, p. 65-71, 2010. Disponível em: <http://periodicos.unitau.br/ojs-2.2/index.php/exatas/article/view/1278/857>. Acesso em: 10 mai. 2015.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisas. São Paulo: Atlas, 2002.

KAPLAN, R. S.; NORTON, D. P. A estratégia em ação: balanced scorecard. São Paulo: Campus, 1997.

KAPLAN, R. S.; NORTON, D. P. Mapas estratégicos: convertendo ativos intangíveis em resultados tangíveis. Rio de Janeiro: Campus, 2004.

LIKER, J. K.; DAVID, M. O Modelo Toyota Manual de Aplicacao. Porto Alegre: Bookman Companhia Ed., 2005.

MINTZBERG, H.; AHLSTRAND, B.; LAMPEL, J. Safari da estratégia. Porto Alegre: Bookman Companhia Ed., 2010.

MORALES, H. N.; GONZALEZ, J. G.; MENDOZA, A. T. Empowerment As A Culture And A Strategy To Strengthen The Activities Of Research And Innovation: Proposal Of A Methodology. European Scientific Journal, v. 1, n. 1, p. 13, 2013.

NEIVA, E. R.; PAZ, M. G. T. Percepção de mudança individual e organizacional: o papel das atitudes, dos valores, do poder e da capacidade organizacional. Revista de Administração, v. 47, n. 1, p. 16, 2012.

NEIS, D.; PEREIRA, M. F. As origens do campo da estratégia: contribuições de Igor Ansoff e Henry Mintzberg. Revista Eletrônica de Estratégia & Negócios, v. 8, n. 2, p. 207 - 240, jan. 2016.

OLIVEIRA, N. G., TERRA, L. A. A. Prevalência das escolas de pensamento estratégico na implantação de sistemas ERP em concessionárias de veículos. Revista Eletrônica de Estratégia & Negócios, 6, mai. 2013. Disponível em: <http://portaldeperiodicos.unisul.br/index.php/EeN/article/view/940/1094>. Acesso em: 27 nov. 2014.

PORTER, M. Estrategia Competitiva. Rio de Janeiro: Campus, 2004.

POWELL, T. C. Total Quality Management as Competitive Advantage A Review and Empirical Study. Strategic Management Journal, v. 16, n. 1, p. 15-37, 1995.

ROSE, J. Soft Systems Methodology as a Social Science Research Tool. Systems Research and Behavioral Science, v. 14, n. 4, p. 249-258, 1997.

SANTOS, J. V.; GONÇALVES, G. A cultura organizacional: O impacto visível de uma dimensão invisível. Psico, v. 41, n. 3, p. 6, 2010.

SHIRI, A.; SOLTANI, M. D.; ABADI, E. G. S. The effect of strategy of organizational assessment upon organizational empowerment in Kerman’s administrative apparatuses. Journal of Basic and Applied Scientific Research, v. 3, n. 8, p. 387-393, 2013. Disponível em: < http://www.textroad.com/pdf/JBASR/J.%20Basic.%20Appl.%20Sci.%20Res.,%203(8)387-393,%202013.pdf >. Acesso em: 10 mai. 2014.

SILVA, L. C. O Balanced Scorecard e o Processo Estratégico. Caderno de Pesquisas em Administração, v. 10, n. 4, p. 5 2003.

SKINNER, B. F. Sobre o behaviorismo. São Paulo: Cultrix, 1982.

SLACK, N; CHAMBERS, S; JOHNSTON, R. Administração da Produção. Atlas, 2009.

SOBRAL, F.; PECI, A. Administração: teoria e prática no contexto brasileiro. São Paulo: Prentice Hall Brasil, 2008.

SPESSATTO, G.; BEUREN, I. M. Análise das diferenças na implantação do balanced scorecard nas maiores empresas da região sul do Brasil. Gestão & Produção, v. 20, n. 2, p. 17, 2013.

TERRA, L. A. A.; PASSADOR, J. L. Symbiotic Dynamic: The Strategic Problem from the Perspective of Complexity. Systems Research and Behavioral Science, DO I: 10.1002/sres.2379, 2015.

WOOD JR, T.; CURADO, I. B.; CAMPOS, H. M. Vencendo a crise: Mudança organizacional na Rhodia Farma. RAE-Revista de Administração de Empresas, v. 34, n. 5, p. 62-79, 1994.

Downloads

Publicado

2016-05-05

Edição

Seção

Artigos Científicos