Um percurso teórico-metodológico para o estudo de constelações de gênero

Autores

  • Júlio César Araújo Universidade Federal do Ceará (UFC)

Palavras-chave:

Constelação de gêneros, Esfera de comunicação, Transmutação, Propósito comunicativo

Resumo

Neste ensaio, proponho um percurso teórico-metodológico que permita fundamentar uma possível reflexão sobre o fenômeno de agrupamentos de gêneros discursivos. Para tanto, empreendo uma análise dos argumentos de Marcuschi (2000) e de Bakhtin ([1929] 2002) acerca do agrupamento de gêneros. Embora haja discrepâncias entre uma e outra proposta de conceber uma constelação de gêneros, é possível estabelecer um ponto consensual entre esses estudiosos, na medida em que ambos salientam as tendências dos gêneros às variações e às transmutações. Os efeitos dessa análise permitem a conclusão de que um estudo que queira empreender a caracterização de uma constelação de gêneros deve se estruturar a partir de três eixos temáticos fundamentais: a(s) esfera (s) de comunicação em que tais gêneros se ambientam; os rastros deixados durante o seu processo de formação e os propósitos comunicativos atendidos por cada gênero dentro da constelação.

Biografia do Autor

Júlio César Araújo, Universidade Federal do Ceará (UFC)

Professor e Pesquisador no Programa de Pós-Graduação em Linguística (PPGL) do Departamento de Letras Vernáculas da UFC, onde coordena o grupo de pesquisa Hiperged. Atua na área de Linguística Aplicada em interface com Pragmática, Análise do Discurso e Linguística Textual. À luz dessa interface estuda as relações entre linguagem e tecnologia digital, com especial atenção aos seguintes temas: gêneros digitais, letramentos na web, EaD, convergência de mídias e hipertexto. Atualmente é vice-presidente da Associação Brasileira de Estudos sobre Hipertexto e Tecnologia Educacional (ABEHTE) e da Associação de Linguística Aplicada do Brasil (ALAB).

Downloads

Publicado

2012-05-21

Edição

Seção

Ensaio