A CRIAÇÃO DE ROTINAS NO PROCESSO DE ABSORÇÃO DO CONHECIMENTO DA EMPRESA TIROL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.19177/reen.v14e12021194-226

Palavras-chave:

Capacidade absortiva, Setor de Laticínios, Inovação, Conhecimento, Rotinas.

Resumo

O setor de laticínios de Santa Catarina vem se destacando nos últimos anos, porém ainda há muitos desafios para o setor, principalmente, diante da crise enfrentada em 2017. Este estudo objetiva analisar o processo de absorção de conhecimento da empresa Laticínios Tirol. Para isso, foi realizado um estudo de caso de abordagem qualitativa, onde foram coletados os dados através de entrevistas com executivos que participaram do processo de absorção do conhecimento, sob a lente do modelo de Zahra e George (2002). Nos resultados, identificamos as rotinas e os processos desenvolvidos nos elementos do processo de capacidade de absorção do conhecimento.

Biografia do Autor

André Munzlinger, Instituto Federal Catarinense. Endereço: Rodovia Carlos Probst, 7055 – Albertina, Rio do Sul. CEP 89167-665. Telefone: (49) 98416-7770

Possui graduação em Comunicação Social - Jornalismo pela Universidade do Sul de Santa Catarina e também é pós-graduado em Produção em Comunicação pela Unoesc. Doutorando em Administração pela Univali e mestre em Administração pela FURB. Atua como jornalista no Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia Catarinense. Realiza pesquisas sobre novas tecnologias de comunicação, disseminação do conhecimento científico através da mídia no Núcleo de Estudos em Comunicação, Cultura e Disseminação de Conhecimento. Participa do grupo de pesquisa Estratégia e Inovação.

Daniele Cristine Maske

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Administração da Univali. Mestre em Turismo e Hotelaria pela Universidade do Vale do Itajaí (2012). Especialização em Marketing de Serviços pela Universidade do Vale do Itajaí (2005). Graduação em Administração (2001) e Turismo e Lazer (2002) pela Fundação Universidade Regional de Blumenau. Possui experiência em ensino presencial e a distância.

Carlos Ricardo Rossetto, Universidade do Vale do Itajaí, Programa de Pós-Graduação em Administração, Biguaçu, SC

Pos Doc na Universidade de Grenoble Alpes. Doutorado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina em 1998,pesquisador com Bolsa Produtividade do CNPq , Atualmente é professor visitante Universidade Nacional de San Aguntin (UNSA) e professor titular da Universidade do Vale do Itajaí. Ex Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Administração (2003/2015) Seu foco de pesquisa é nos estudos sobre ambiente, comportamento estratégico, recursos e capacidades. Diretor da Rossetto Consultoria Empresarial Ltda.

Fernando Cesar Lenzi, Doutor em Administração pela USP. Professor do PPGA em Administração da UNIVALI. Rua Sete de Setembro, 2014 - apart 1515. Bairro: Centro. 89.012-400. Blumenau/SC. (47) 99929-6454

 Doutor em Administração pela FEA - USP/SP. Mestre em Administração (FURB). Especialista em Gerenciamento de Marketing pelo INPG/FURB. Possui Graduação em Administração de Empresas (FURB). Foi Secretario de Administração da Prefeitura Municipal de Blumenau e trabalhou em outras atividades públicas no governo do estado de Santa Catarina. Trabalhou como consultor e prestador de serviços do SEBRAE/SC. Professor Titular da Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI). Professor permanente dos programas de Mestrado e Doutorado da UNIVALI: PPGA e PMGPP. Professor de Pós Graduação em diversas Universidades no País. Tem grande experiência na área de Administração, atuando principalmente nos seguintes temas: empreendedorismo, marketing, comportamento empreendedor, relacionamento e administração. Autor de diversos artigos nacionais e internacionais. Autor e Organizador do livro "O Empeendedor de Visão" pela Editora Atlas. Autor do livro "A Nova Geração de Empreendedores" também pela mesma editora. Autor e Organizador do livro "Ação Empreendedora" pela Editora Gente. Autor do livro "Talentos Inovadores na Empresa" pela Editora IBPEX. Autor e Organizador do livro "Marketing Empreendedor" pela Editora IBPEX.

Gustavo Behling, Doutor em Administração pela Universidade do Vale do Itajaí. Professor do PPGA em Administração da UNIVALI. Rua Uruguai, 458 BL B7 SL 109, (47) 3341-7771

Doutor em Administração (2019) e Mestre em Administração (2015) pelo Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA) da Universidade do Vale do Itajaí (Univali). Especialista em Gestão Financeira pela Universidade Regional de Blumenau (FURB) e em Gestão de Varejo pelo SENAC/SC. Bacharel em Administração pela Univali. É professor colaborador do PPGA Univali e do curso de graduação em Administração da Univali. Pesquisador nas áreas de empreendedorismo e estratégias organizacionais. Membro do Grupo de Pesquisa PROFORME (Processo de Formação de Estratégias) PPGA/Univali. Coordenador do curso de Administração da Escola de Negócios da Univali e dos curso de MBA em Gestão Empresarial, Finanças Empresariais e Gestão da Cadeia de Suprimentos da Univali. É líder do tema Empreendedorismo, Pequenas empresas e Estratégia do EGEPE (Encontro de Estudos sobre Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas) e do tema Casos para Ensino do EnANPAD (Encontro da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Administração). Recebeu o prêmio de melhor artigo geral do IX EGEPE - Encontro de Estudos sobre Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas (2016) e de melhor trabalho da área Empreendedorismo no XXII SEMEAD - Seminários em Administração (2019).

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Almedina 6ª ed, 2011.

BAUER, Martin W.; GASKELL, George. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som. 6. ed. Petrópolis: Vozes, 2007.

BAUER, Martin W. Análise de conteúdo clássica: uma revisão. In: BAUER M. W, GASKELL G. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. 3a ed. Petrópolis: Vozes, 2002.

BENHAYOUN-SADAFIYINE, L.; DOMINGUEZ-PERY, C.; LE DAIN, M. Towards an operationalization of knowledge absorptive capacity for a collaborative innovation network. European Academy of Management (EURAM), Glasgow: United Kingdom, jun. 2017.

BRANCHER, C. A influência da incerteza ambiental no processo de absorção de conhecimento: um estudo em uma empresa moveleira brasileira. Dissertação. Biguaçu: Univali, 2016.

CANAL RURAL. Produção de SC cai com estiagem. Disponível em: https://www.canalrural.com.br/noticias/pecuaria/leite/leite- producao-de-sc-cai-4-com-estiagem-e-pandemia-de- coronavirus/#:~:text=A%20produ%C3%A7%C3%A3o%20de%20leite%20em,de%20Santa% 20Catarina%20(Epagri). Acesso em: 04 de jun. 2020.

CATOZZELLA, A; VIVARELLI, M. Beyond absorptive capacity: in-house R&D as a driver of innovative complementarities. Appl. Econ. Lett, vol.21, n.1, p. 243-246, 2014.

CONAB. Companhia Nacional de Abastecimento. Análise Mensal de Leites e Derivados em 2018. Disponível em: https://www.conab.gov.br/...leite/.../21102_8654e5c8c40c3b788d404f46ccb588a5. Acesso em: 8 de jan. 2019.

COHEN, W. M.; LEVINTHAL, D. A. Innovation and learning: the two faces of R & D. The economic journal, vol 1, p. 569-596, 1989.

CAMISÓN, C.; FORÉS, B. Knowledge absorptive capacity: new insights for its conceptualization and measurement. Journal of Business Research, vol. 63, n. 7, p. 707-715, jul. 2010.

DAUD, S. Knowledge management processes in SMEs and large firms: a comparative evaluation. African Journal of Business Management, vol. 6, n.11, p. 4223-4233, 2012.

DIRANI, K.M. Professional training as strategy for staff development: a study in training transfer in the Lebanese context, European Journal of Training and Development, vol. 36, n.2, p. 158-178, 2012.

EISENHARDT, K. M., GRAEBNER, M. E. Theory building from cases: opportunities and challenges. Academy of Management Journal, ed. 50, vol.1, p. 25-32, 2007.

FLATTEN, T.; GREVE, I.; BRETTEL, M. Absorptive Capacity and Firm Performance in SME’s: The Mediating Influence of Strategic Alliances. European Management Review, vol. 8, p. 137-152, 2011.

FREITAS, Maria Teresa. A abordagem sócio-histórica como orientadora da pesquisa qualitativa. In: Cadernos de pesquisa, [S. l.], n. 116, p. 20-39, jul. 2002.

GIBBERT, M.; RUIGROK,W; WICKI, B. What passes as a rigorous case study? Strategic Management Journal, ed. 29, vol. 3, p. 1465-1474, 2008.

GARCIA-PEREZ, ANA; YANES-ESTÉVEZ, VANESSA; OREJA-RODRIGUES RAMÓN. Perceived Environmental Uncertainty and Strategic Alliances in Small and Medium-Sized em terprises. Journal of Entrepreneurship and Small Business, vol. 17, n. 3, 2012.

GEGENFURTNER, A. Motivation and transfer in professional training: a meta-analysis of the moderating effects of knowledge type, instruction, and assessment conditions, Educational Research Review, vol. 6, n. 3, p. 153-168, 2011.

GOLD, A. H.; MALHOTRA, A; SEGARS, A. H. Knowledge management: An organizational capabilities perspective. Journal of Management Information Systems, vol. 18, n.1, p. 185-214, 2001.

GUEDES, H. P.; ZIVIANI, F.; PAIVA, R. V. C.; FERREIRA, M. A. T.; HERZOG, M. M. Mensuração da capacidade absortiva: um estudo nas empresas brasileiras fabricantes de coletores solares. Gestão & Produção, vol. 24, n. 1, p. 50-63, 2017.

HAGEEDOORN, J.; WANG, N. Is there complementarity or substitutability between internal and external R&D strategies? Res. Policy, vol. 41, p. 1072-1103, 2012.

HARGADON, A. Brokering Knowledge: Linking Learning and Innovation. Research in Organizational Behavior - Res Organ Beh, vol.24, p. 41-85, 2002.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Trimestral do Leite. Disponível em: https://metadados.ibge.gov.br/consulta/estatisticos/operacoes-estatisticas/LT. Acesso em: 12 de jan. de 2019.

KINGSTON, W. Limited Incontestability for Small-Firm Patents. Eur. Intell. Prop. Rev, vol 28, p. 463-468, 2006.

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Técnicas de pesquisa. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1996.

LANE, P. J.; KOKA, B. R.; PATHAK, S. The reification of absorptive capacity: a critical review and rejuvenation of the construct. Academy of Management Review, v. 31, n. 4, p. 833– 863, 2006.

LEVY, M.; LOEBBECKE, C.; POWELL, P. SMEs, co-opetition and knowledge sharing: The role of information systems. Eur. J. Inf. Syst, vol. 12, n.3, 2003.

LEWIN, A. Y.; MASSINI, S.; PEETERS, C. Microfoundations of internal and external absorptive capacity routines. Organization Science, vol.22, n.1, p. 81–98, 2011.

LIAO, J.; WELSCH, H.; STOICA, M.; Organizational absorptive capacity and responsiveness: an empirical investigation of growth-oriented SMEs. Entrepreneurship Theory and practice, vol. 28, n 1, p. 63-85, 2003.

LICHTENTHALER, U.; LICHTENTHALER, E. A capability-based framework for open innovation: Complementing absorptive capacity. J. Manag. Stud, vol. 46, p. 1315–1338, 2009.

LÜDKE, Menga; ANDRÉ, Marli E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MARTINKENAITE, I; BREUNIG. K. J. The emergence of absorptive capacity through micro–macro level interactions. Journal of Business Research, vol. 69, n.2, 2016.

MINBAEVA, D.; PEDERSEN, T.; BJÖRKMAN, I.; FEY, C.; PARK, H. Knowledge Transfer, Subsidiary Absorptive Capacity, and HRM. Journal of International Business Studies, vol 34, p. 586-599, 2003.

MU, J. ; TANG, F. ; MACLACHLAN, D.L. Absorptive and disseminative capacity: knowledge transfer in intra-organization networks. Expert Systems with Applications, vol. 37, p. 31-8, 2010.

NIELSEN COMPANY. Painel de Consumidores: Drivers dos Lacteos. Disponível em: https://www.nielsen.com/br/pt/insights/reports/2018/Retrospectiva-sobre-o-segmento-de- lacteos-em-2018.html. Acesso em: 28 de jan. 2019.

NSC TOTAL. Santa Catarina teve crescimento na produção leiteira. Disponível em: https://www.nsctotal.com.br/noticias/sc-teve-crescimento-de- 66-na-producao-de-leite-no-primeiro-semestre-de-2019. Acesso em: 04 de jun. 2020.

PORTAL DO AGRONEGÓCIO. Produção do leite aumenta. Disponível em: http://www.portaldoagronegocio.com.br/noticia/producao-catarinense-de-leite-aumenta-82- em-dez-anos-167888. Acesso em: 20 de Jan. 2018.

RITALA, P.; HURMELINNA-LAUKKANEN, P. What’s in it for me? Creating and appropriating value in innovation-related coopetition. Technovation, vol. 29, n.12, p. 819– 828, 2009.

RITALA, P.; HURMELINNA-LAUKKANEN, P. Incremental and Radical Innovation in Coopetition—The Role of Absorptive Capacity and Appropriability. Journal of Product Innovation Management Services Technology Management, vol 30, n. 1, p. 154–169, 2013.

SCHMIDT, T. Absorptive capacity? One size fits all? A firm-level analysis of absorptive capacity for different kinds of knowledge. Management Decision Economics, vol. 31, n.1, p. 1–18, 2010.

TODOROVA, G.; DURISIN, B. Academy of management Review, v. 32, n. 3, p. 774-786, 2007.

VERSIANI, A.; CRUZ, M.; FERREIRA, M; GUIMARÃES L. Mensuração da Capacidade absortiva: até que ponto a literatura avançou. Artigo apresentado no XXXIV Encontro Nacional da Associação Nacional De Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Rio de Janeiro, Brasil, 2010.

VIE, O. E.; STENSLIA, M.; LAUVÅS, T. A. Increasing companies absorptive capacity through participation in collaborative research centres. Energy Procedia, vol.58, p. 36 – 42, 2014.

YIN, Robert, K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2015.

ZAHRA, S.; GEORGE, G. Absorptive capacity: A review, reconceptualization, and extension. Academy of Management Review, v. 27, n. 2; p. 185-203, 2002.

Downloads

Publicado

2021-06-22

Edição

Seção

Artigos Científicos