Análise do papel da incubadora na internacionalização de empresas de base tecnológica, incubadas e graduadas

Autores

  • Gabriela Gonçalves Silveira Fiates Universidade Federal de Santa Catarina
  • Cristina Martins Universidade do Sul de Santa Catarina - Unisul
  • José Eduardo Azevedo Fiates
  • Graciella Martignago Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC
  • Neri dos Santos Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC

DOI:

https://doi.org/10.19177/reen.v6e12013252-274

Palavras-chave:

Internacionalização.Incubadoras. Inovação. Base-tecnológica

Resumo

As transformações econômicas e tecnológicas ocorridas a partir da segunda metade do século XX ampliaram os mercados, reduziram os limites impostos pelas fronteiras dos países e promoveram de forma real e inequívoca a globalização das operações comerciais, sobretudo para os países emergentes. Neste contexto, o Brasil mostra-se como importante player, juntamente com os demais países que compõem o BRICS – Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, grupo com poder político em expansão, dada a relevância de seus mercados. Apesar disto, a participação brasileira no comércio global ainda é pequena, quando comparada a outros países igualmente emergentes. O nível de internacionalização é particularmente mais baixo para produtos de maior valor agregado, como a inovação tecnológica. A maioria dos produtos exportados pelo Brasil em 2011 (65,8%) é composta por produtos de baixa e média-baixa tecnologia, 27,9% é de média-alta tecnologia e somente 6,2% é de alta tecnologia (MDIC, 2012). Nesse sentido, este artigo visa analisar as características do processo de internacionalização de pequenas e médias empresas de base tecnológica, incubadas e graduadas buscando identificar o papel das incubadoras nesse processo. Partiu-se de três premissas básicas: que as empresas de base tecnológica são essencialmente inovadoras; que as incubadoras de empresas se constituem em ambientes potencializadores de redes de relacionamento, tanto entre as empresas incubadas e graduadas, como com agentes externos. E, finalmente, a terceira premissa é que a inovação é uma vantagem competitiva que alavanca o processo de internacionalização de empresas e mostra-se fundamental para o desempenho competitivo da empresa no mercado externo. A pesquisa a partir de casos de pequenas empresas de base tecnológica mostra-se relevante dada a necessidade do Brasil de estimular a inserção externa de empresas que comercializam produtos intensivos em tecnologia. A pesquisa é de caráter descritivo, na forma de um estudo multicaso com seis empresas, três incubadas e três graduadas. Os resultados apontam que a inovação configura-se realmente como a principal vantagem para a competição em mercados internacionais. De forma intencional e planejada, há uma aceleração do processo de internacionalização nas empresas mais jovens, já concebidas com uma visão global. Constatou-se que a incubadora favorece a formação de redes de relacionamento que estimulam a inovação e a interação com outros atores que podem fomentar o processo de internacionalização, no entanto, não há ações percebidas pelos empresários próprias para esta finalidade, o que aponta para uma oportunidade de ação sistemática das incubadoras no apoio à internacionalização de empresas.

Biografia do Autor

Gabriela Gonçalves Silveira Fiates, Universidade Federal de Santa Catarina

Professora e Pesquisadora pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC (CSE - Departamento de Administração)

Cristina Martins, Universidade do Sul de Santa Catarina - Unisul

Mestranda em Administração pela Universidade do Sul de Santa Catarina

Beneficiária de auxílio financeiro da CAPES – Brasil

Neri dos Santos, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC

Professor do Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento Centro Tecnológico (CTC) - Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Campus Universitário Reitor João David Ferreira Lima
CEP: 88040-970 - Trindade - Florianópolis - Santa Catarina - Brasil

Downloads

Publicado

2013-05-05

Edição

Seção

Artigos Científicos