AVANÇOS RECENTES DO CLUSTER PORTUÁRIO DE ITAJAÍ: UM CLUSTER INOVATIVO?

Autores

  • Elisa Maria Moser Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC/RIO
  • Nelson Casarotto Filho Professor Titular da Universidade Federal de Santa Catarina.
  • Teresia Diana Lewe van Aduard de Macedo Soares Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro- Departamento de Administração de Empresas/IAG

DOI:

https://doi.org/10.19177/reen.v13e1202027-57

Palavras-chave:

Cluster portuário, Desenvolvimento Regional, Cluster portuário da região de Itajaí.

Resumo

Este estudo tem o objetivo de identificar e analisar o estágio de desenvolvimento do cluster portuário da região de Itajaí em Santa Catarina. A partir do levantamento de informações com especialistas, busca-se caracterizar o grau de desenvolvimento desse cluster utilizando metodologia de Cunha (2002) própria para avaliação de clusters em economias em desenvolvimento. Em vista das recentes transformações, parte-se da suposição de que o cluster possa situar-se no mais alto estágio de desenvolvimento. Confirmamos a utilização do instrumento de coleta para obtenção de um diagnóstico sobre elementos essenciais do cluster, que o posicionou no limiar de um cluster em estágio inovativo.

Biografia do Autor

Elisa Maria Moser, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC/RIO

Doutoranda em administração pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro PUC-Rio, mestre em administração pelo Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais – IBMEC-RJ. Administradora pela ESAG/UDESC. Funcionária do Departamento de Mercado de Capitais do BNDES.

Nelson Casarotto Filho, Professor Titular da Universidade Federal de Santa Catarina.

Professor Titular da Universidade Federal de Santa Catarina, ligado ao Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas. Possui graduação em Engenharia Química pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1974), mestrado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina (1977) e doutorado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina (1995) com sanduíche na Universidade do Minho - Portugal.

Teresia Diana Lewe van Aduard de Macedo Soares, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro- Departamento de Administração de Empresas/IAG

Professora da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro- Departamento de Administração de Empresas/IAG desde 1996   (Professor Titular desde 2011). Cientista do Nosso Estado – Faperj (desde 12/2014). Pesquisador PQ – 1 B do CNPq, Coordenadora da área de Administração/Economia da FAPERJ (desde 08/2012); Presidente do Conselho de Administração do Grupo Logical Systems (http://www.logicalsystems.com.br/perfil-da-empresa.html ); Membro do Conselho Consultativo do Global Business & Technology Association ( http://www.gbata.com/aboutus.html ); Program Co-Chair do GBATA International Conferences; Cônsul Geral Honorário da Finlândia e Membro da Comissão Diretiva do Corpo Consular do Rio de Janeiro. Possui Mestrado em Filosofia Econômica e Social – Université de Montréal (1972) e Doutorado em Filosofia Econômica, Política e Social – Université de Montréal (1981) com a mais alta distinção.

Referências

ANTAQ - Agência Nacional de Transportes Aquaviários. Estatístico Aquaviário. Disponível em: http://web.antaq.gov.br/Anuario/. Acesso em: 10.jun.2018.

BARAKAT, S. R. et al. Análise dos fatores condicionantes da gênese de clusters de empresas. Gestão & regionalidade, 2017. v. 33, n. 98. Disponível em: <http://seer.uscs.edu.br/index.php/revista_gestao/article/view/3994/2142>.

BENITES-LAZARO, L. L.; MELLO-THÉRY, N. A. Empowering communities? local stakeholders’ participation in the clean development mechanism in latin america. World development, 2019. v. 114, p. 254–266. Disponível em: <https://doi.org/10.1016/j.worlddev.2018.10.005>.

BRASIL. Lei 12.815, de 05 de junho de 2013. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 05 jun. 2013. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br>. Acesso em: 02 ago. 2013.

BRASIL. Lei 12.815, de 05 de junho de 2013. Constituição da República Federativa do Brasil. 1988. Disponível em:<http://www.planalto.gov.br>. Acesso em: 10 jul. 2012.

BRENNER, T.; SCHLUMP, C. Policy measures and their effects in the different phases of the cluster life cycle. Regional Studies, v. 45, n. 10, p. 1363-1386, 2011.

CABRAL, T. P. Porto-indústria e clusters portuários: uma análise comparativa. 2014. Disponível em: <http://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/123824/Monografia da Thaiane Cabral.pdf?sequence=1>. Acesso em: 31 jan. 2019.

CASAROTTO FILHO, N.; PIRES, L.H. Redes de pequenas e médias empresas e desenvolvimento. Atlas, 2001.

CUNHA, I. J. Modelo para classificação e caracterização de aglomerados em economias em desenvolvimento. [S.l.]: Universidade Federal de Santa Catarina, 2002.

DATAMAR. Liner services. 2017. Acesso em: 12 set. 2017

ENRIGHT, M. J. Regional clusters: what we know and what we should know. Innovation clusters and interregional competition. Springer, Berlin, Heidelberg, 2003. p. 99-129.

ENRIGHT, M. J. Regional clusters and economic development: A research agenda. Business networks: Prospects for regional development, 1996.

FRANCISCO, J. L.; BOTTER, R. C. Terminais de uso privado: um estudo da competição no estado de santa catarina. Revista eletrônica de estratégia & negócios, 2017. v. 10, n. 11.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 2008.

LEVINE, D.M.; BERENSON, M.L.; STEPHAN, D. Estatística: teoria e aplicações-usando Microsoft Excel português. Ltc, 2005.

LIGUORI, E. et al. Development of a multi-dimensional measure for assessing entrepreneurial ecosystems. Entrepreneurship and regional development, 2018. v. 31, n. 1–2, p. 7–21. Disponível em: <https://doi.org/10.1080/08985626.2018.1537144>.

LÜBECK, R. M.; WITTMANN, M. L.; SILVA, M. S. Da. Afinal, quais variáveis caracterizam a existência de clusters, arranjos produtivos locais (apls) e dos sistemas locais de produção e inovação (slpis)? Revista ibero-americana de estratégia - RIAE, 2012. v. 11, n. 1, p. 120–151.

MALHOTRA, N. K. et al. Introdução à pesquisa de marketing. 2005.

MASCENA, K. M. C. De; FIGUEIREDO, F. C.; BOAVENTURA, J. M. G. Clusters e apl ’ s: análise bibliométrica das publicações. RAE - Revista de Administração de Empresas – FGV/EAESP, 2013. v. 53, n. 5, p. 454–468. Disponível em: <http://rae.fgv.br/rae/vol53-num5-2013/clusters-apl’s-analise-bibliometrica-publicacoes-nacionais-no-periodo-2000-2011>.

MATTAR, F.N.; OLIVEIRA, B.; MOTTA, S. Pesquisa de marketing: metodologia, planejamento, execução e análise. Elsevier Brasil, 2014.

MINISTÉRIO DA INFRAESTRUTURA. Plano Mestre do Complexo Portuário de Itajaí (Sumário Executivo). Itajaí, 2018. Disponível em: http://infraestrutura.gov.br/component/content/article/113-politica-e-planejamento-de-transportes/5426-planos-mestres.html. Acesso em: 31 jan. 2019.

MYTELKA, L.; FARINELLI, F. Local clusters, innovation systems and sustained competitiveness. UNU/Intech Discussion Papers, 2000. n. October 2000, p. 7–37.

OLIVEIRA, K. D.; ALMEIDA, K.L.de; BARBOSA, T.L. Amostragens probabilística e não probabilística: técnicas e aplicações na determinação de amostras. Jerônimo Monteiro: Universidade Federal do Espirito Santo, 2012.

OLIVEIRA, T. M. V. De. Amostragem não probabilística: adequação de situações para uso e limitações de amostras por conveniência, julgamento e quotas. Administração on line, 2001. v. 2, n. 3, p. 1–7. Disponível em: <https://goo.gl/skzASC>.

PAOLIELLO, E. R. Análise dos aspectos concorrenciais no âmbito da lei 12.815/2013. Revista eletrônica direito e política, 2014. v. 9, n. 1, p. 26–50. Disponível em: .

PINTO, R. A. Q. Proposta de modelo estratégico para consolidação de cluster industrial marítimo. 2016. Disponível em: < https://repositorio.ufsc.br/xmlui/bitstream/handle/123456789/167819/342209.pdf?sequence=1&isAllowed=y>. Acesso em: 31 jan. 2019.

PORTER, M. Competitive Advantage of Nations. Harvard Business Review, 1990. v. 1, n. 1, p. 1–14.

PORTO DE ITAJAÍ - AUTORIDADE PORTUÁRIA. Relatório Estatístico do Complexo Portuário de Itajaí. Itajaí, 2018. Disponível em: http://www.portoitajai.com.br/novo/estatisticas/199/Estat%C3%ADstica%20de%20Dezembro%20de%202018. Acesso em: 31 jan. 2019.

RAZMINIENE, K.; TVARONAVICIENE, M. Detecting the linkages between clusters and circular economy. Terra economicus, 2018. v. 16, n. 4, p. 50–65.

RENCK, E. Comparação Entre as Embarcações Pesqueiras que Praticam o Método de Cerco Construídas no Vale do Itajaí e Peru. TCC (graduação) - Universidade Federal de Santa Catarina. Campus Joinville. Engenharia Naval em 12/2014. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/127645.

SALUME, P. K.; GUIMARÃES, L. D. O.; VALE, M. G. V. Análise de clusters: vantagens da abordagem baseada em dinâmica de sistemas. Desenvolvimento em questão, 2016. n. 37, p. 115–143.

SCHMITZ, H. Eficiência coletiva: caminho de crescimento para a indústria de pequeno porte. Ensaios Fee, 1997. v. 18, n. 2, p. 164–200.

ZELBST, P. J.; FRAZIER, G. V.; SOWER, V. E. A cluster concentration typology for making location decisions. Industrial management & data systems, 2010. v. 110, n. 6, p. 883–907. Disponível em: <http://www.emeraldinsight.com/doi/10.1108/02635571011055108>.

Downloads

Publicado

2020-07-07

Edição

Seção

Artigos Científicos