FACILITADORES, DIFICULTADORES E PRINCIPAIS FOCOS DE CONFLITO DO PROCESSO SUCESSÓRIO

Autores

  • Andreia Aparecida Pandolfi dos Santos Universidade do Sul de Santa Catarina
  • Simone Sehnem Universidade do Oeste de Santa Catarina
  • Gleberson de Santana dos Santos Universidade Federal de Pelotas

DOI:

https://doi.org/10.19177/reen.v11e2201888-112

Palavras-chave:

Aspectos facilitadores, Aspectos dificultadores, Empresa familiar, Processo sucessório.

Resumo

Este artigo buscou analisar os aspectos facilitadores, dificultadores e principais focos de conflito do processo sucessório de uma empresa familiar considerada de grande porte. Metodologicamente, trata-se de um estudo de caso único, com abordagem qualitativa e enfoque descritivo. A coleta de dados foi realizada por meio de entrevistas semiestruturadas e pesquisa documental. Conclui-se que o caso apresentou bem mais aspectos facilitadores do que dificultadores na condução dos processos, entre eles: o planejamento sucessório à longo prazo, programa de incentivo e de formação de lideranças incorporado à cultura, a formalização da governança corporativa, a preparação e a orientação para os herdeiros.

Biografia do Autor

Andreia Aparecida Pandolfi dos Santos, Universidade do Sul de Santa Catarina

Mestre em Administração, Universidade do Sul de Santa Catarina, Especialista em Controladoria e Finanças pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Graduada em Administração pela União de Ensino do Sudoeste do Paraná. É professora no Centro Universitário Leonardo da Vinci.

Simone Sehnem, Universidade do Oeste de Santa Catarina

Doutora em Administração e Turismo, Universidade do Vale do Itajaí. Mestre em Administração pela Universidade Federal de Santa Catarina. Graduada em Administração e em Agronegócios pela Universidade do Oeste de Santa Catarina (UNOESC). Atua como professora no Mestrado Profissional e Doutorado Acadêmico na UNOESC e no Mestrado Acadêmico na Universidade do Sul de Santa Catarina

Gleberson de Santana dos Santos, Universidade Federal de Pelotas

Mestre em Administração pela Universidade do Oeste de Santa Catarina. Especialista em Gestão Financeira pela Faculdade de Tecnologia e Ciências, com MBA em Planejamento e Gestão Estratégica. Bacharel em Administração pelo Instituto de Educ. Superior Unyahna de Salvador. Atua como professor substituto na Faculdade de Adminitração e Turismo da Universidade Federal de Pelotas e como professor assistente nos cursos de pós-graduação da Faculdade de Tecnologia SENAC RS. É coordenador administrativo/financeiro no Shopping Pelotas.

Referências

AGUILERA, R. V.; CRESPI-CLADERA, R. Firm family firms: Current debates of corporate governance in family firms. Journal of Family Business Strategy, v. 3, n. 2, p. 66-69, 2012.

BERNHOEFT, R. A empresa familiar: sucessão profissionalizada ou sobrevivência comprometida. São Paulo: Nobel, 1989.

BUENO, J. C. C; FERNÁNDEZ, C.D.; SÁNCHEZ, A. V. Gestão da empresa familiar. São Paulo: Thomson Learning, 2007.

CRUZ MACHADO, R. M; WETZEL, U; RODRIGUES, M. E. A experiência de sucessão para herdeiras de empresas familiares do Rio de Janeiro. Cadernos EBAPE. BR, v. 6, n.3, p. 1-24, 2008.

FAMILY BUSINESS NETWORK, Planejamento do processo sucessório . Disponível em: http://www.fbn-br.org.br/> Acesso em: 10 agos. 2016

FERREIRA, M. A. de A. Processo sucessório em organizações brasileiras: um estudo com uso de groundtheory. PhD Thesis. Universidade de São Paulo, 2015.

GALLO, M. A. Ideas básicas para dirigir la empresa familiar. Espana: Eunsa,2004.

GERSICK, K. E. De geração para geração. Gulf Professional Publishing, 2006.

GRZYBOVSKI, D. Plataforma de conhecimentos e aprendizagem transgeracional em empresas familiares.2007. 383 p. Tese(Doutorado em Administração) - Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2007.

GUEIROS, M. M. B.; OLIVEIRA, L. M. B. de. Sucessão familiar: prática em empresa de transporte: uma visão dos dirigentes. In: ENCONTRO DA ANPAD, 2000, Foz do Iguaçu..Anais... Foz do Iguaçu: ANPAD, 2000.

HAUSWALD, H.; HACK, A. Impact of family control/influence on stakeholders perception. Family Business Review, v. 26, n. 4, p. 356-373, 2013.

LAAKONEN, A.; KANSIKAS, J. Evolutionary Selection and Variation in Family Businesses. Management Research Review, Bingley, v. 34, n. 9, p. 980-995, 2011.

LAM, W. Dancing to two tunes: Multi-entity roles in the family business succession process. International Small Business Journal, 2011.

LE BRETON-M, I., MILLER, D.;STEIER, L. P. Toward an integrative model of effective FOB succession. Entrepreneurship Theory and Practice, v. 28, p. 305– 328, 2004.

LEE, K., LIN, W.S.;LIN, G. H. Succession and Survival of Family Businesses. Proceedings 45º ICSB. Brisbane, 2000.

LODI, J. B. Sucessão e conflito na empresa familiar. São Paulo: Pioneira, 1987.

LODI, J. B. A entrevista: teoria e prática. Pioneira, 1998.

MACHADO, H. P. V. Empresas familiares e a formação de sucessoras. In: ENCONTRO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO-ENANPAD., 30., 2006, Salvador. Anais... Salvador, 2006.

MASSIS, A; CHUA, J. H.; CHRISMAN, J. J. Factors preventing intra‐family succession. Family Business Review, v. 21, n. 2, p. 183-199, 2008.

MERWE, S. V. D.; VENTER, E.; ELLIS, S. M. An Exploratory Study of Some of the Determinants of Management Succession Planning in Family Businesses. Management Dynamics, Cape Town, v. 18, n. 4, p. 2-17, 2009.

MICHAEL-TSABARI, N; WEISS, D. Communication traps: Applying game theory to succession in family firms. Family Business Review, 0894486513497506. 2013.

MINADEO, R; MELO, M. C. de O. L; RIBEIRO, C. M. TAM e Azaléia: processos de transição em empresas familiares DOI 10.5752/P. 1984-6606.2009 v9n20p114. Revista Economia & Gestão, 9.20: 114-140. 2009.

OLIVEIRA, J. L.; ALBUQUERQUE, A. L; PEREIRA, R. D. De "fiIho do dono" a dirigente ilustre: caminhos e descaminhos no processo de construção da legitimidade de sucessores em organizações familiares. Revista de Administração, 2013, 48.1: 21.

PASSOS, É, et al. Família, família, negócios a parte: Como fortalecer laços e desatar nós na empresa familiar. 5. ed. São Paulo: Editora Gente, 2006.

PRICE WATERHOUSE, Empresa familiar o desafio da governança. Disponível em: https://www.pwc.com.br/pt/publicacoes/setores-atividade/assets/pcs/pesq-emp-fam-14.pdf>. Acesso em: 15 agos.2016

SALVATO, C; CORBETTA, G. Transitional leadership of advisors as a facilitator of successors’ leadership construction. Family Business Review, 0894486513490796. 2013.

SCHEFFER, A. B. B. Fatores dificultantes e facilitadores ao processo de sucessão familiar. Revista de Administra & ccdeilão da Universidade de São Paulo, v. 30, n. 3, 1995.

SHARMA, P. An overview of the field of family business studies: current status and directions for the future. Family Business Review, Boston, v.17, n.1, p.1- 35, mar. 2004.

TEIXEIRA, R. M; CARVALHAL, F. Sucessão e conflitos em empresas familiares: estudo de casos múltiplos em empresas na cidade de aracaju. Revista Alcance, v. 20, n. 3, p. 345-366, 2013.

VAN DER MERWE, S; VENTER, E; ELLIS, S M. An exploratory study of some of the determinants of management succession planning in family businesses. Management Dynamics, v. 18, n.4, 2009.

WARD, J. A sabedoria não convencional da empresa familiar. São Paulo, HSM Management n. 56, maio/junho 2006.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos, tradução Ana Thorell, revisão técnica Cláudio Damacena. 2010.

Downloads

Publicado

2019-04-26

Edição

Seção

Artigos Científicos