CERVEJA COM CULTURA: A INOVAÇÃO ABERTA COMO FERRAMENTA DE MARKETING

Autores

  • Eduardo Roque Mangini Universidade Nove de Julho Instituto Federal de São Paulo
  • Fernando Henrique Brasil Rossini Universidade Nove de Julho
  • Ariane Santos Universidade Nove de Julho
  • André Torres Urdan Universidade Nove de Julho

DOI:

https://doi.org/10.19177/reen.v9e2201637-57

Palavras-chave:

Inovação Aberta, Marketing, Cervejaria.

Resumo

Este artigo analisou a implementação do projeto denominado Cerveja com Cultura, com base na Teoria da Inovação Aberta e Aspectos de Rotulagem Mercadológica. Por meio de um estudo de caso feito a partir de entrevistas com o proprietário da cervejaria e de alguns clientes, foram coletados dados a respeito da criação e dos resultados obtidos com a criação dos rótulos por artistas locais, bem como materiais de apoio, como quadros e bolachas de suporte para as cervejas. Os resultados apontam a relação entre Marketing e Inovação Aberta, e para a ampliação do número de rótulos de cervejas advindos do projeto.

Biografia do Autor

Eduardo Roque Mangini, Universidade Nove de Julho Instituto Federal de São Paulo

Doutorando do PPGA da Universidade Nove de Julho

Professor do Instituto Federal de São Paulo

Fernando Henrique Brasil Rossini, Universidade Nove de Julho

Doutorando do PPGA da Universidade Nove de Julho

Professor da Universidade Nove de Julho

Ariane Santos, Universidade Nove de Julho

Mestranda do PPGA da Universidade Nove de Julho

André Torres Urdan, Universidade Nove de Julho

Professor Doutor do PPGA da Universidade Nove de Julho

Referências

BRASIL. Lei N° 8.078 de 11 de setembro de 1990. Disponível em: <http://www.procon.al.gov.br/legislacao/CDC.pdf/view>. Acesso em: 29 jul. 2016.

CAMPOMAR, M.C. Do uso de “estudo de caso” em pesquisas para dissertações e teses em administração. Revista de Administração (RAUSP), São Paulo, v.26, n.3, p.95-97, jul./ago./set. 1991.

CARNEIRO, J. DE D. S., MINIM, V. P. R., CHAVES, J. B. P., SILVA, C. H. O., & REGAZZI, A. J. Opiniões e atitudes dos consumidores em relação a embalagens e rótulos de cachaça. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v.30, n.3, p. 669–673. 2010.

CHESBROUGH, H. The Era of Open Innovation. MIT Sloan Management Review , v.44, n.3, p. 34-42. 2003.

CHESBROUGH, H. W. Open Business Models: How to Thrive in the New Innovation Landscape. Boston: Harvard Business School Press, 2006.

CHESBROUGH, H. Why bad things happen to good technology: new ideas take you only so far. Wall Street Journal , april 2007.

CHESBROUGH, H. Why Companies Should Have Open Business Models. MIT Sloan Management Review , v. 48, n.2, p.22-28, winter 2014.

DODGSON, M., GANN, D.; SALTER, A. The role of technology in the shift towards open innovation: the case of Procter & Gamble. R&D Management, v36, n.3, p.333–346. 2006.

GASSMAN, O.; ENKEL, E. Towards a theory of open innovation: three core process archetypes, Proceedings of the R&D Management Conference, Sesimbra, 2004.

GODOY, A. S. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 35, n.2, p. 57-63, mar./abr. 1995a.

GODOY, A. S. Pesquisa qualitativa: tipos fundamentais. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 35, n.3, p. 20-29, mai./jun.1995b.

GRØTNES, E. Standardization as open innovation: two cases from the mobile industry, Information Technology & People, v. 22, n.4, p.367 – 381. 2009.

GUISSONI, L. A.; NEVES, M. F.; BONIZIO, R. C. Proposta de avaliação dos resultados do Programa de Comunicações de Marketing sob a perspectiva da criação de valor para as organizações. Revista Brasileira de Marketing, v. 9, n. 2, p. 137-165, 2010.

JEPPESEN, L. B.; MASKELL, P.; POWEL, W. Distributed Innovation. Stanford University, March 27 – 28, 2008.

KING, A.; LACKHANI, K. Using the open innovation to identify the best ideas. MIT Sloan Management Review. vol. 55, n.1, p. 40-49, 2013.

KOTLER, P.; KELLER, K. L. Administração de marketing. 12. ed. São Paulo: Pearson/Prentice Hall, 2006. xxii, 750 p.

LOPES, E. L.; SILVA, D. Modelos integrativos do comportamento do consumidor: uma revisão teórica. Revista Brasileira de Marketing, v. 10, n. 3, p. 3-23, 2011.

MARQUES, J. P. C. Closed versus Open Innovation: Evolution or Combination? International Journal of Business and Management, v.9, n.3, p. 196-203, 2014.

MATTAR, F. N. Gestão de produtos e serviços, marcas e mercados: estratégias e ações para alcançar e manter-se 'Top of Market'. São Paulo: Atlas, 2009. 442 p.

MESTRINER, F. A embalagem e as necessidades da sociedade humana, 2012. Disponível em: http://w3.maua.br/files/artigos/a-embalagem-e-as-necessidades-da-sociedade-humana.pdf

MONTEIRO, R. A.; COUTINHO, J. G.; RECINE, E. Consulta aos rótulos de alimentos e bebidas por frequentadores de supermercados em Brasília, Brasil. Rev Panam Salud Publica, v. 18, n. 3, p. 172–177. 2005.

NEVES, M. F.; CONEJERO, M. A. Uma contribuição empírica para geração de métodos de planejamento e gestão. Rev. Adm. (São Paulo), São Paulo, v.47, n. 4, p. 699-714, dez. 2012.

PEREIRA, J. M., BARBOSA, J. G. P., BOUZADA, M. A. C., FREITAS, A. S. Relação entre Inovação e Estratégia: um estudo de caso em uma empresa de TIC, Revista Eletrônica de Estratégia & Negócios. v.7, n.2, p.69-98, 2014.

PEREZ, C.; BAIRON, S. Comunicação & marketing: teorias da comunicação e novas mídias, um estudo prático. São Paulo: Futura, 2002. 212 p.

PHILIPPI, S. T.; RIGO, N.; LORENZANO, C. Estudo comparativo entre tabelas de composição química dos alimentos para avaliação de dietas. Rev. Nutr. PUCCAMP, v.8, n.2, p. 200–213, 1995.

PONTES, T. E.; COSTA, T. F.; MARUM, A.; BRASIL, A. L. D.; TADDEI, J. Orientação nutricional de crianças e adolescentes e os novos padrões de consumo: propagandas, embalagens e rótulos. Rev Paul Pediatr, v. 27, n.1, p. 99–105. 2009.

REED, R.; STORRUD-BARNES, S., JESSUP, L. How open innovation affects the drivers of competitive advantage: Trading the benefits of IP creation and ownership for free invention. Management Decision, v.50, n.1, p.58 – 73, 2012.

RODRIGUES, L. C.; FRANÇA, A. L.; HERINGER, B.H.F. Inovação Aberta e Inovação Distribuída em Empresa de Alta Tecnologia. In: XXVI Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica, 2010, Vitória. Anais do XXVI Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica. Rio de Janeiro: ANPAD, 2010. v. 1. p. 1-21.

SILVEIRA NETO, W. D. Avaliação visual de rótulos de embalagens. 2001. Disponível em: <http://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/79920>. Acesso em:10 mar. 2016.

TRENTINI, A.; FURTADO, I.; DERGINT, D.; REIS, D.; CARVALHO, H. Inovação Aberta e distribuída, modelos diferentes de inovação? Revista eletrônica de estratégia e negócios. Florianópolis, v.5, n.1, p. 88-109, jan./abr. 2012.

URDAN, F.T.; URDAN, A.T. Gestão do Composto de marketing, 2. Ed. São Paulo: Atlas, 2013, 473p.

VEGA-JURADO, J; JULIAO-ESPARRAGOZA, D; PATERNINA-ARBOLEDA, C. D.; VELEZ, M. C. Journal of Technology Management & Innovation. v.10, n., p85-90. 2015.

WEST, J., GALLAGHER, S. Challenges of open innovation: the paradox of firm investment in open-source software, R&D Management, v. 36, n. 3, p. 319-331. 2006.

WEST, J.; SALTER, A.; VANHAVERBEKE, W.; CHESBROUGH, H., Open Innovation: The next decade. Research Policy, v.43, n.5, p.805-811, 2014.

YIN, R. K. Estudo de Caso: Planejamento e Métodos. Porto Alegre: Bookman, 2005. 212 p.

Downloads

Publicado

2016-09-01

Edição

Seção

Artigos Científicos