NANOTECNOLOGIA: INOVAÇÃO PARA A COMPETITIVIDADE NA CADEIA PRODUTIVA TÊXTIL BRASILEIRA

Autores

  • Adilson Caldeira Universidade Presbiteriana Mackenzie
  • Ana Cristina Bachur Silva Universidade Presbiteriana Mackenzie
  • Camila Marinho Borba Universidade Presbiteriana Mackenzie
  • Caroline Petruz Universidade Presbiteriana Mackenzie
  • Elis Aniceto Universidade Presbiteriana Mackenzie

DOI:

https://doi.org/10.19177/reen.v8e32015146-170

Palavras-chave:

Nanotecnologia. Inovação. Indústria Têxtil. Competitividade

Resumo

Este estudo exploratório de caráter qualitativo tem por objetivo conhecer as potenciais contribuições da inovação via nanotecnologia à competitividade da indústria têxtil brasileira. A partir de um aporte teórico que aborda os temas Inovação, Competitividade e Nanotecnologia, construiu-se um roteiro de questões direcionador de entrevistas realizadas com profissionais que atuam e conhecem o setor focalizado na pesquisa. Os resultados revelam que a indústria têxtil internacional está em processo de expansão e a inovação é considerada um meio essencial para a competitividade, sendo que a nanotecnologia é vista como potencial agente de agregação de valor aos produtos e processos produtivos. 

Biografia do Autor

Adilson Caldeira, Universidade Presbiteriana Mackenzie

Doutor em Administração de Empresas pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, Mestre em Administração pela Universidade de São Paulo, Especialista em Administração Financeira e Graduado em Engenharia Civil. É professor e pesquisador em período integral do Centro de Ciências Sociais e Aplicadas (CCSA) da Universidade Presbiteriana Mackenzie, vinculado ao Núcleo de Estudos e Pesquisa em Estratégia e Inovação (NEPEI). Atua em temas relacionados a Estratégia, Inovação e Cooperação nas Organizações. Possui experiência profissional em gestão acadêmica e de empresas nacionais e internacionais.

Ana Cristina Bachur Silva, Universidade Presbiteriana Mackenzie

Bacharela em Administração e pesquisadora vinculada ao NEPEI - Núcleo de Estuudos e Pesquisa em Estratégia e Inovação da Universidade Presbiteriana Mackenzie

Camila Marinho Borba, Universidade Presbiteriana Mackenzie

Bacharela em Administração e pesquisadora vinculada ao NEPEI - Núcleo de Estuudos e Pesquisa em Estratégia e Inovação da Universidade Presbiteriana Mackenzie

Caroline Petruz, Universidade Presbiteriana Mackenzie

Bacharela em Administração e pesquisadora vinculada ao NEPEI - Núcleo de Estuudos e Pesquisa em Estratégia e Inovação da Universidade Presbiteriana Mackenzie

Elis Aniceto, Universidade Presbiteriana Mackenzie

Bacharela em Administração e pesquisadora vinculada ao NEPEI - Núcleo de Estuudos e Pesquisa em Estratégia e Inovação da Universidade Presbiteriana Mackenzie

Referências

ABIT – ASSOCIACÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA TÊXTIL. Disponível em: < http:// www.abit.org.br/Home.aspx >. Acesso em: 17 Set.2015.

ABIT – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA TÊXTIL. Relatório setorial da cadeia têxtil brasileira. São Paulo, v. 3, n. 3, set. 2003.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2007.

BARNEY, J. B.; HESTERLY, W. S. Administração Estratégica e Vantagem Competitiva. 3. Ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2011.

BBC Brasil. Brasil despenca em ranking de competitividade. Disponível em: <http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2013/05/130530_ranking_competitividade_lgb.shtml>. Acesso em: 03 set. 2015

CARRETEIRO, R. Inovação Tecnológica: como garantir a modernidade do negócio. Rio de Janeiro: LTC; 2009.

COLCHESTER, C. Textiles-tendências actuales y tradiciones. Barcelona: Art. Blume 2008.

COSTA, A. C. R; ROCHA, E. R. P. Panorama da cadeira têxtil e de confecções e a ques-tão da inovação. Rio de Janeiro: 2009. Disponível em: <http://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/export/sites/default/bndes_pt/Galerias/Arquivos/conhecimento/bnset/Set2905.pdf>. Acesso em: 18 nov. 2015.

DE OLIVEIRA, P. H.; EPAMINONDAS, M. E. R. Conhecimento, Inovação e Estratégia competitiva: um estudo no setor atacadista da moda. Revista Eletrônica de Estratégia & Ne-gócios, v. 7, n. 1, p. 82-104, 2014.

DURAN, N.; MATTOSO, L. H. C.; MORAIS, P. C. de. Nanotecnologia: introdução, prepa-ração e caracterização de nanomateriais e exemplos de aplicação. São Paulo: Artliber Editora, 2006.

EXAME. Nanotecnologia para os outros. Disponível em: <http://exame.abril.com.br/ revista-exame/edicoes/0954/noticias/nanotecnologia-outros-505404>. Acesso em: 03 set. 2015.

FLICK, U. Uma introdução à pesquisa qualitativa. 3ª. Ed. Porto Alegre: Artmed 2009.

FOLHA. Brasil cai em ranking mundial de competitividade e fica em 54º lugar. Folha de São Paulo, edição de 22/05/2014. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/mercado/ 2014/05/1458086-brasil-cai-em-ranking-mundial-de-competitividade-e-fica-no-54lugar.shtml. Acesso em: 21 de Junho de 2015.

GODOY, A. S. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Admi-nistração de Empresas, v.35, n.2, p.57-58, mar/abr. 1995.

GRUPO DE TRABALHO criado pela portaria MCT nº 252. Programa de Desenvolvimento da Nanociência e da Nanotecnologia do PPA 2004-2007. Disponível em: <http://www.uni-muenster.de/imperia/md/content/bioforum/artikel/nanotecbrasil.pdf>Acesso em: 10 out. 2015

JOHNSON, J. M. In-depth interviewing. In: HOLSTEIN, J. A.; GUBRIUM, J. F. (Eds.) Handbook of interview research: context & method. Thousand Oaks: Sage Publications, 2002, p. 103-119.

HITT, M. A.; IRELAND, R. D.; HOSKISSON, R. E. Administração estratégica. 3. ed. São Paulo: Cengage Learning, 2015

HOSKISSON, R. E.; HITT, M. A.; IRELAND, R. D.; HARRISON, J. S. Estratégia Com-petitiva. 2. Ed. São Paulo: Cenage Learning, 2010.

HOSSNE W. S.; LÊDO, J. C. S.; PEDROSO M. Z. Introdução às questões bioéticas susci-tadas pela nanotecnologia. 2007. Disponível em: <http://www.scamilo.edu.br/ pdf/bioethikos/54/Introducao_as_questoes.pdf>. Acesso em: 02 nov. 2015.

KANUK, L.L; SCHIFFMAN, L. G. Comportamento do consumidor. 6. Ed. Rio de Janeiro: LTC, 2000.

MELO, M. O. B. C.; CAVALCANTI, G. A.; GONÇALVES, H. S.; DUARTE, S. T. V. G. Inovações Tecnológicas na Cadeia Produtiva Têxtil: análise e estudo de caso em indústria no nordeste do Brasil. Revista Produção Online UFSC, Santa Catarina, v. 7, n. 2, ago., 2007.

NANO. National Nanotechnology Initiative. Disponível em: <http://www.nano.gov/ nano-tech-101/what/definition>. Acesso em: 17 nov. 2015.

PEZZOLO, D. B. Tecidos: história, tramas, tipos e usos. São Paulo: Editora SENAC São Paulo, 2007.

PORTER E., M. Competição: Estratégias Competitivas Essenciais. 10. Ed. Rio de Janeiro: Campus, 2003.

SEBRAE. Disponível em: <http://www.sebrae.com.br/setor/textil-e-confeccoes/o-setor/panorama>. Acesso em: 02 nov. 2015

TEXBRASIL. Disponível em: <http://www.texbrasil.com.br/texbrasil/ SobreSe-tor.aspx?tipo=15&pag=1&nav>. Acesso em: 20 de Junho de 2015.

TIDD, J; BESSANT, J. R; PAVITT, K. Gestão da Inovação. 3. Ed., Porto Alegre: Bookman, 2008.

TIGRE, P. B. Gestão da inovação: a economia da tecnologia no Brasil. 2 Ed., Rio de Janei-ro: Campus, 2006.

TOMAS, H. E. O mundo nanométrico: a dimensão do novo século. São Paulo: Oficina de Textos, 2009. UDALE, J. Fundamentos de design de moda: tecidos e moda. Porto Alegre: Bookman, 2009.

Downloads

Publicado

2016-03-27

Edição

Seção

Artigos Científicos