Ópera ou circo? Teatro e atraso cultural na visão de Lima Barreto

Autores

  • Marcos Vinícius Scheffel niversidade do Sul de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.19177/rcc.v6e12011183-201

Palavras-chave:

Lima Barreto, Teatro e modernidade, Teatro e hábitos civilizados

Resumo

No romance Vida e Morte de M.J. Gonzaga de Sá, Lima Barreto promove uma importante discussão sobre a relação do teatro brasileiro, na cidade do Rio de Janeiro, entre meados do século XIX e início do XX, e um suposto papel civilizatório e modernizante atribuído pelos intelectuais brasileiros desse período. Neste artigo, procuro percorrer alguns desses discursos que atribuíam essa função ao teatro para depois comparar com a perspectiva crítica adotada por Lima Barreto ao desvelar o aspecto provisório de nossa modernidade periférica e dependente. Nesse sentido, percorro também trechos do Diário Íntimo e algumas crônicas do autor que se articulam com as questões encenadas em Vida e Morte.

Biografia do Autor

Marcos Vinícius Scheffel, niversidade do Sul de Santa Catarina

Professor da Universidade Federal do Amazonas. Bolsista da FAPEAM e doutorando em Teoria da Literatura (UFSC).

Downloads

Publicado

2011-06-10

Edição

Seção

Ensaios