MÁRCIO SOUZA E O JUDAÍSMO: A QUESTÃO DAS NOMENCLATURAS ÉTNICAS NA LITERATURA BRASILEIRA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.19177/rcc.v16e22021161-174

Palavras-chave:

Expressão amazônica, Ensaio, Judiedade, Márcio Souza

Resumo

A proposta de discussão teórica implica um enfrentamento a partir do conceito de retalhos de memória. A ideia de releituras palimpsésticas produz ao ensaísta o desafio de remexer as pistas invisíveis de sua origem judaica. Nesse caso, ao partir em busca das relíquias do passado, a escrita se lança ao abismo, submetendo-se ao risco de produzir sensações e imagens capazes de conciliar o presente e o passado. O artigo retoma um ensaio de Márcio Souza, “A verdadeira nação de Rafael Bentes”, conhecido autor amazonense, onde ele, sob o foco de (re)encontrar-se com sua judeidade sefaradita, procura evocar as condições de um trajeto, não para descrever o percurso propriamente, mas para possibilitar o testemunho de reconstrução, sob a égide benjaminiana, relido à luz da dinâmica de produção do sensível ao próprio discurso histórico e memorial.

Biografia do Autor

João Carlos de Carvalho, Ufac

Professor de graduação e pós-graduação da Universidade Federal do Acre.

Doutorado em Letra, com ênfase em Teoria da Literatura e estudos comparados.

Downloads

Publicado

2022-03-16

Edição

Seção

Artigos