CAPACIDADE DE AUTODEPURAÇÃO DE CORPOS D’ÁGUA URBANOS EM SITUAÇÕES DE VAZÕES CRÍTICAS: O CASO DO CÓRREGO PERNADA, PARAÍSO DO TOCANTINS – TO.

Autores

  • Rejane Freitas Benevides Almeida INSTITUTO FEDERAL DO TOCANTINS http://orcid.org/0000-0002-1351-5148
  • Ítalo Wanderley Almeida INSTITUTO FEDERAL DO PARÁ
  • Girlene Figueiredo Maciel UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS

DOI:

https://doi.org/10.19177/rgsa.v10e42021218-238

Palavras-chave:

Autodepuração, Córrego Pernada, Modelo de Streeter-Phelps.

Resumo

O presente estudo teve como objetivo avaliar a capacidade de autodepuração do Córrego Pernada, localizado no município de Paraíso do Tocantins – TO, em situações de vazão crítica. Para tanto, inicialmente, foi realizado um levantamento dos principais usos desenvolvidos ao longo do curso d’água, sendo observado que o lançamento de efluentes tratados pela Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) seria o uso com o maior potencial para o comprometimento de sua capacidade de autodepuração. O passo seguinte foi a realização de medições de vazão a montante do lançamento de efluentes no período de maio a outubro de 2015 com o intuito de identificar a vazão
crítica do curso d’água. Por fim, aplicou-se o modelo matemático de Streeter-Phelps, sendo observado prejuízos na capacidade de autodepuração do córrego no período de vazão crítica, o qual apresentou resultados em desacordo com a legislação para o parâmetro DBO5.

Biografia do Autor

Rejane Freitas Benevides Almeida, INSTITUTO FEDERAL DO TOCANTINS

Possui graduação em ENGENHARIA AMBIENTAL (2007) e Mestrado em Ciências do Ambiente (2010) pela Universidade Federal do Tocantins. Doutora em Ciências Ambientais pela Universidade Federal do Goiás (2017). Atualmente é professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins e tem experiência nas áreas vinculadas ao meio ambiente e saneamento, com ênfase em monitoramento de bacias hidrográficas.

Ítalo Wanderley Almeida, INSTITUTO FEDERAL DO PARÁ

Possui graduação em Engenharia Ambiental pela Universidade Federal do Tocantins. Mestrado em Engenharia Ambiental pela mesma instituição com ênfase em Recursos Hídricos e Saneamento. É Especialista em Engenharia Sanitária e Ambiental. Tem experiência no ramo de Serviços Ambientais, em especial Saneamento Ambiental (água e Esgoto) além de conhecimento no procedimento de Licenciamento Ambiental.

Girlene Figueiredo Maciel, UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS

Doutor em Recursos Naturais pela Universidade Federal de Campina Grande-UFCG. Mestre e graduado em meteorologia pela Universidad Federal da Paraíba-UFPB. Professor do curso de graduação em engenharia ambiental da Universidade Federal do Tocantins-UFT, recentemente membro do colegiado do mestrado profissionalizante em engenharia ambiental, campus de Palmas. Desenvolve pesquisa em clima e meio ambiente com aplicações em agrometeorologia, agroclimatologia, hidrometeorologia e no entendimentos dos processos hidrológicos em bacias hidrográficas.

Downloads

Publicado

2021-12-14

Edição

Seção

Artigos