AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE RECICLAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NA REGIÃO CENTRAL DO MUNICÍPIO DE ITACOATIARA/AM

Autores

DOI:

https://doi.org/10.19177/rgsa.v10e32021260-276

Palavras-chave:

Composição gravimétrica, Materiais recicláveis, Coleta seletiva, Ganho econômico.

Resumo

É evidente a necessidade de uma atenção diferenciada em relação ao gerenciamento dos resíduos sólidos no país. Entretanto, a grande maioria dos municípios utilizam um modelo de gerenciamento de resíduos sólidos ainda precário, realizando apenas a coleta dos resíduos, encaminhando-os diretamente, sem nenhum tipo de segregação ou coleta seletiva, à disposição final. Diante disso, este trabalho teve por objetivo avaliar o potencial de reciclagem dos resíduos sólidos urbanos em bairros da região central do município de Itacoatiara, no Amazonas. Para isso, foram realizadas duas caracterizações quali-quantitativas dos resíduos provenientes da área de estudo. Em cada amostragem, foi aplicado o método do quarteamento a fim de obter uma amostra final (600 L) para a determinação da composição gravimétrica. O quantitativo dos resíduos coletados foi obtido por meio da pesagem dos caminhões coletores. Além disso, entrou-se em contato com os atores envolvidos no mercado de materiais recicláveis do município, de forma a obter o valor de compra e venda dos mesmos. Diariamente são coletados cerca de 15 ton de resíduos na região de estudo, sendo que deste total, 51,32% representa o material orgânico, seguido de 37,40% de material reciclável, 6,36% dos demais resíduos e 4,93% de rejeitos. O ganho econômico estimado com a comercialização dos materiais passíveis de reciclagem pode chegar a R$ 764.755 por ano. Sendo assim, o presente estudo apresenta dados que mostram a importância da coleta seletiva na região, sendo uma forma de gerar renda e, ao mesmo tempo, contribuir para a redução do volume destes materiais no lixão.

Biografia do Autor

Gabriel dos Anjos Guimarães, Universidade Federal do Amazonas - UFAM

Graduado em Engenharia Sanitária pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM). Mestrando em Ciência e Tecnologia para Recursos Amazônicos pela UFAM.

Mariana Medeiros Batista, Universidade Federal do Amazonas

Graduada em Engenharia Ambiental pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Mestre em Engenharia Civil e Ambiental pela UFPB. Doutoranda em Engenharia Civil e Ambiental na Universidade Federal de Campina Grande – UFCG. Professora Assistente do Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia (ICET), da Universidade Federal do Amazonas - UFAM. 

Downloads

Publicado

2021-09-24

Edição

Seção

Artigos