AGENDA AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (A3P): ANÁLISE DA ADERÊNCIA DE UMA AUTARQUIA FEDERAL – RIO DE JANEIRO/RJ

Autores

  • Igor Laguna Vieira Universidade do Estado do Rio de Janeiro
  • Elmo Rodrigues da Silva Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Palavras-chave:

Agenda Ambiental na Administração Pública, Gestão Governamental, Órgãos Públicos, Desenvolvimento Sustentável, Sustentabilidade Socioambiental

Resumo

Na gestão ambiental pública é necessária a atuação ativa dos órgãos, não somente na regulação e fiscalização, mas também na execução de suas próprias atividades. Nesse sentido, os governos vêm implantando programas e projetos para estimular os gestores públicos em práticas que incentivem a responsabilidade socioambiental no setor, podendo-se citar, a esse exemplo, a Agenda Ambiental na Administração Pública (A3P), criada pelo Ministério do Meio Ambiente. Este artigo apresenta e discute os resultados de uma pesquisa qualiquantitativa que avaliou o grau de aderência de uma autarquia federal, localizada no Rio de Janeiro/RJ, aos eixos da A3P. O estudo ocorreu na sede do órgão, que consiste em duas edificações localizadas na mesma rua, com área total edificada de aproximadamente de nove mil metros quadrados, onde são executadas somente atividades administrativas. Foi realizada uma pesquisa de campo junto aos setores da organização, no intuito de verificar as ações de sustentabilidade socioambiental desenvolvidas pela autarquia. Foram solicitados também dados e documentos aos gestores que pudessem subsidiar tal verificação. Foi desenvolvida então uma lista de verificação a partir das práticas sugeridas nos documentos de referência da A3P. Após a aplicação da lista, foi obtida uma aderência de apenas 26% aos eixos da A3P, o que permite concluir que há deficiência na gestão socioambiental da organização, que deve incentivar mais práticas que reduzam possíveis impactos que estão sendo causados pela sua atividade.

Biografia do Autor

Igor Laguna Vieira, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Graduado em Engenharia de Produção Civil pelo Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais - CEFET-MG (2013) e Física pela Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG (2008). Mestre (2017) e doutorando em Engenharia Ambiental pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ. Atualmente é Analista em Ciência & Tecnologia da Comissão Nacional de Energia Nuclear - CNEN, atuando no Centro de Desenvolvimento da Tecnologia Nuclear - CDTN.

Elmo Rodrigues da Silva, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Possui graduação em Engenharia Sanitária e Ambiental pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1979), mestrado em Genie de Lenvironment - Ecole Polytechnique Fédérale de Lausanne (1983) e doutorado em Saúde Pública pela Fundação Oswaldo Cruz (1998). Atualmente é professor associado da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. É pesquisador Procientista da UERJ. Foi coordenador acadêmico do Programa Coleta Seletiva Solidária até junho de 2014 (parceira UERJ/SEA/INEA/SEEDUC). Coordena projetos de pesquisa e extensão com apoio da UERJ. É consultor ad hoc do CNPQ e Faperj. É parecerista ad hoc das Revistas: Cadernos de Saúde Pública; Ambiente & Água; Revista de Gestão Costeira Integrada: Revista Interagir. Orientou e coorientou: 37 dissertações de mestrado; 6 teses de doutorado e 11 monografias. Orientou 45 bolsistas de graduação da UERJ (IC, EIC e extensão). Publicou artigos em livros, Congressos Nacionais e Internacionais.Tem experiência na área de Engenharia Sanitária, com ênfase em Gestão Ambiental, atuando principalmente nos seguintes temas: gestão de resíduos, gestão ambiental, gestão de recursos hídricos.

Downloads

Publicado

2022-03-14

Edição

Seção

Artigos