COMPOSIÇÃO GRAVIMÉTRICA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE AERONAVES: UM ESTUDO DE CASO EM AEROPORTO INTERNACIONAL NA REGIÃO DE CURITIBA - PR

Autores

  • Nataly Bruna Fernandes Aires UFPR
  • Alexandre França Tetto UFPR
  • Lisiane Akemi Hayashi UFPR
  • Jairo Afonso Henkes Unisul

DOI:

https://doi.org/10.19177/rgsa.v9e12020144-170

Palavras-chave:

Resíduos Sólidos, Aeronaves, Composição gravimétrica, Gerenciamento de Resíduos Sólidos.

Resumo

O presente artigo apresenta um panorama gravimétrico dos resíduos gerados em aeronaves. Sabe-se que o transporte aéreo é um modal muito aderido como opção de transporte, nesse sentido, é premente a preocupação sobre o impacto ambiental dessa fonte geradora e as particularidades que circundam a prática de gerenciamento de resíduos sólidos em ambientes aeroportuários. Devido a sua especificidade, os resíduos sólidos de aeronaves são importantes indicadores para compreender aspectos particulares da dinâmica de gerenciamento de resíduos sólidos em complexos aeroportuários. Para o presente trabalho usa-se a metodologia de pesquisa exploratória, bibliográfica, documental, observação e pesquisa de campo. Foram realizadas duas visitas técnicas ao local, uma sendo dia 18 de junho de 2018 e a outra, dia 29 de julho de 2018, a fim de conhecer a Central de Resíduos e a área de segregação de resíduos sólidos de aeronaves e a aplicação do método da gravimetria em resíduos sólidos, nos dias 24, 25 e 26 de agosto de 2018. Para a caracterização da geração de resíduos sólidos das aeronaves utiliza-se a Norma Técnica Brasileira –  nº 10.007/2004 E nº 10.004/2004 e a Resolução do CONAMA nº 275. Para a análise de resíduos sólidos de aeronaves, utiliza-se o método de gravimetria e quarteamento de amostragem de resíduos sólidos, exceto o resíduo infectante. Nesse sentido, o trabalho visa apresentar a concentração de determinados componentes em porcentagens que reflitam a realidade da geração de resíduos sólidos em aeronaves comerciais, de transporte de passageiros. Foram apontados maior concentração de “rejeito”, “plástico” e “papel” nas amostragens analisadas de forma geral. Tais informações são importantes para o mapeamento de geração de resíduos sólidos por fonte geradora em ambiente aeroportuário. Dessa forma, os resultados da composição gravimétrica subsidiarão à criação de um novo Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos – PGRS à administradora do aeroporto analisado.

 

Palavras-chaves: Resíduos Sólidos; Aeronaves; Composição gravimétrica; Gerenciamento de Resíduos Sólidos.

 

Biografia do Autor

Nataly Bruna Fernandes Aires, UFPR

Mestranda do Programa de Pós-graduação em Meio Ambiente e Desenvolvimento (PPGMADE) da Universidade Federal do Paraná - UFPR. Especialista em Gestão Ambiental pela Universidade Federal do Paraná - UFPR. Durante a graduação em Administração foi bolsista de Iniciação Científica pelo Instituto Euvaldo Lodi nos projetos de Pesquisa Perfil do Micro e Pequeno Empresário Regional (2013 - 2014) e Métricas de Sustentabilidade (2014-2015). Pesquisa sobre Comunicação Ambiental.

Alexandre França Tetto, UFPR

Graduado em engenharia florestal pela Universidade Federal do Paraná em 1997. É especialista em prevenção e combate a incêndios florestais, mestre e doutor em conservação da natureza. Iniciou no processo de ensino - aprendizagem como instrutor de mergulho, em 1992, credenciado pela Confederation Mondiale des Activites Subaquatiques. Desde então, atuou como professor do ensino médio, pós-médio, curso pré-vestibular e ensino superior. Foi agente profissional da Secretaria da Agricultura e do Abastecimento do Estado do Paraná, supervisor do SENAR-PR e consultor, tendo elaborado projetos e laudos para o Governo do Estado do Paraná, INCRA, IICA, poder judiciário e empresas privadas. Atuou como Coordenador do Curso de Graduação em Engenharia Florestal no período de 2012 a 2014 e como Diretor Financeiro da FUPEF (Fundação de Pesquisas Florestais do Paraná) de 2014 a 2016. Atualmente é e Professor Adjunto do curso de Engenharia Florestal da UFPR nas disciplinas de incêndios florestais, meteorologia e climatologia florestal e manejo de áreas silvestres para a graduação; e ecologia do fogo, microclimatologia florestal e manejo de áreas naturais protegidas para a pós-graduação. Atua em pesquisas com ênfase na prevenção de incêndios florestais, microclimatologia e gestão de unidades de conservação.

Lisiane Akemi Hayashi, UFPR

Possui graduação em Engenharia Química pela Universidade Federal do Paraná(2003), especialização em Especialização em Gestão Estratégica da Produção pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná(2006) e curso-tecnico-profissionalizante em Administração de Empresas pela Escola Técnica da Universidade Federal do Paraná(2005). Atualmente é Engenheira Química da Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária.

Jairo Afonso Henkes, Unisul

Doutorando em Geografia (UMinho, 2019). Mestre em Agroecossistemas (UFSC, 2006). Especialista em Administração Rural (UNOESC, 1997). Engenheiro Agrônomo (UDESC, 1986). Professor dos Cursos de Ciências Aeronáuticas, Administração, Engenharia Ambiental, do CST em Gestão Ambiental e do PPG em Gestão Ambiental da Unisul.  E-mail: jairohenkes333@gmail.com

Downloads

Publicado

2020-04-20

Edição

Seção

Artigos