CRIAÇÃO E AVALIAÇÃO DE MAPAS DE SUSCETIBILIDADE A INUNDAÇÃO PARA O MUNICÍPIO DE IGUAPE, ESTADO DE SÃO PAULO

Autores

  • Caio Arlanche Petri UFSCa
  • Lucas Maia de Oliveira INPE

DOI:

https://doi.org/10.19177/rgsa.v7e42018289-305

Palavras-chave:

Bacia do Ribeira do Iguape, Suscetibilidade Ambiental, Avaliação de Incertezas.

Resumo

As inundações são os desastres naturais mais frequentes e que causam maiores danos econômicos, sociais e ambientais no mundo. Para este trabalho, entende-se inundação como a elevação do nível de água de um corpo hídrico para além do seu nível normal, alagando a planície aluvial deste corpo. As inundações são causadas devido às características ambientais tais como chuvas, formato da bacia hidrográfica, cobertura vegetal, escoamento superficial; e antrópicas; como a impermeabilização dos solos e o descarte de lixo em locais inadequados. O município de Iguape, localizado no estado de São Paulo, faz parte da bacia hidrográfica do Rio Ribeira do Iguape. Devido às características desta bacia, o município registra inundações frequentemente. Assim, torna-se pertinente a produção de um mapa de suscetibilidade a inundações para o município, a fim de apontar as localidades com maior risco de sofrer inundações. Para isso, foram comparadas duas fontes de dados topográficos: curvas de nível e pontos cotados (criando um MDE) adquiridos no site do Sistema de Informações Geográficas da Bacia do Ribeira do Iguape e Litoral Sul (SIGRB), e dados SRTM (Shuttle Radar Topography Mission) obtidos através do TopoData. O uso e ocupação da terra foram integrados ao MDE para criar o mapa de suscetibilidade, adotando pesos para cada variável. Os mapas gerados estão em escala 1:400.000, considerando a área do município de 1.977,957 km². Os resultados apresentam a variação dos mapas de suscetibilidade de acordo com a fonte e dos dados topográficos utilizados. O mapa com curvas de nível e pontos cotados apontou riscos de inundação maiores e mais generalizados do que o SRTM.

 

Biografia do Autor

  • Caio Arlanche Petri, UFSCa
    Mestrando em Sensoriamento Remoto pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. Bacharel em Gestão e Análise Ambiental pela Universidade Federal de São Carlos. E-mail: [email protected]
  • Lucas Maia de Oliveira, INPE

    Mestrando em Sensoriamento Remoto pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. Bacharel emGeografia pela Universidade de Campinas. E-mail: [email protected]

Downloads

Publicado

2018-12-12

Edição

Seção

Artigos

Como Citar

CRIAÇÃO E AVALIAÇÃO DE MAPAS DE SUSCETIBILIDADE A INUNDAÇÃO PARA O MUNICÍPIO DE IGUAPE, ESTADO DE SÃO PAULO. (2018). Revista Gestão & Sustentabilidade Ambiental, 7(4), 289-305. https://doi.org/10.19177/rgsa.v7e42018289-305

Artigos Semelhantes

1-10 de 1279

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.