PRODUÇÃO DE COSMÉTICOS DE FORMA MAIS SUSTENTÁVEL

Autores

  • Jennifer Sumar Gonçalves
  • Jairo Afonso Henkes

DOI:

https://doi.org/10.19177/rgsa.v5e12016473-488

Palavras-chave:

Cosméticos, Desenvolvimento sustentável, Diferenciação, Aspectos ambientais, Onda verde

Resumo

A nossa qualidade de vida depende da nossa capacidade de viver dentro dos limites e recursos naturais disponíveis e a sociedade está se conscientizando cada vez disso. É crescente a busca de empresas do setor de cosméticos em se tornar cada vez mais sustentável, combinar o retorno econômico com suas obrigações sociais e ambientais e o objetivo desse trabalho é conscientizar que uma empresa de pequeno porte também pode alcançar esse objetivo. Veremos como funciona uma pequena empresa de cosméticos, a Indústria XYZ Sabonetes e Perfumaria, assim como iremos comparar sua realidade com a de uma grande empresa do ramo, a Natura. A empresa XYZ já reduziu a quantidade de resíduos gerados, beneficiando assim o meio ambiente e reduzindo seus custos de produção, mas esse estudo de caso mostrará que há mais alternativas para reduzir o impacto ambiental dos processos de produção e criar produtos mais adequados, bem como os autodenominados “cosméticos verdes”. Concluiu-se que na indústria de cosméticos as empresas podem ter um desenvolvimento sustentável, acreditando que cuidar do meio ambiente é garantia de preservação dos recursos necessários para o futuro de seus negócios, além de os diferenciar de seus concorrentes e atrair mais clientes, buscar o equilíbrio econômico, social e ecológico de uma região e de um país beneficia a quem neles vivem, e deve ser objetivo permanente.

Biografia do Autor

Jennifer Sumar Gonçalves

Acadêmica do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental – Unisul Virtual.

Jairo Afonso Henkes

Mestre em Agroecossistemas. Especialista em Administração Rural. Engenheiro Agrônomo.
Professor do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental e do Programa de Pós
Graduação em Gestão Ambiental da Unisul.

Downloads

Publicado

2016-05-12

Edição

Seção

Estudos de Caso