AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE FLOCULAÇÃO E AMBIENTAL DA RECUPERAÇÃO DA BIOMASSA DE MICROALGAS CULTIVADAS EM FOTOBIORREATORES COMPACTOS INDUSTRIAIS

Autores

  • Marisa Daniele Scherer Universidade Federal do Paraná
  • Marcelo Castro Perreira Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária
  • André Bellin Mariano Universidade Federal do Paraná
  • José Viriato Coelho Vargas Universidade Federal do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.19177/rgsa.v5e1201692-118

Palavras-chave:

Biomassa microalgal, floculação, fotobiorreatores compactos industriais, Avaliação do Ciclo de Vida (ACV)

Resumo

Neste artigo foram avaliados a eficiência de floculação e ambiental dos agentes floculantes: sulfato de ferro (FeCl3), hidróxido de sódio (NaOH), hidróxido de cálcio (Ca(OH)2) e sulfato de alumínio (Al2(SO4)3). Para a análise de eficiência de floculação foram realizados testes para determinar a melhor concentração de cada agente floculante para a espécie Scenedesmus sp., e para a avaliação ambiental foi realizado a Avaliação do Ciclo de Vida (ACV) com auxílio do software SimaPro 7.3 utilizando o método CML 2000. Os resultados indicaram que o FeCl3 e Al2(SO4)3 foram altamente eficazes para a recuperação da biomassa microalgal e os mesmos apresentaram menor impacto ambiental, porém, ao se utilizar o FeCl3 verificou-se a imediata mudança de coloração da biomassa após adição do sal para um tom forte de laranja, o qual pode ser associado à presença do ferro, e o uso do Al2(SO4)3 pode comprometer o uso da biomassa devido alguns autores associa-lo com a ocorrência da doença de Alzheimer, ficando restrita a aplicação da biomassa recuperada através deste processo para fins nutricionais, portanto, para esse trabalho notou-se que o NaOH apresentou menores emissões em praticamente todas as categorias analisadas do CML 2000, exceto para depleção abiótica e ecotoxicidade terrestre, no entanto, foi considerado o agente floculante padrão dessas análises, uma vez que promoveu a coagulação com valores tão eficientes quanto 93,5% e com o melhor perfil ambiental entre os agentes floculantes que não causaram alterações visíveis de cor na biomassa, juntamente com o acoplamento de tecnologias de floculação e centrifugação para obtenção da biomassa úmida e floculação e secagem térmica para biomassa seca. Os resultados mostram que é importante considerar tanto os aspectos de eficiência da floculação quanto impactos ambientais para identificar os melhores coagulantes em escala industrial. No entanto, mais estudos são necessários com coagulantes naturais, como a quitosana que é fabricado a partir de resíduos de pesca sendo uma alternativa para melhorar o perfil ambiental do processo, assim como a utilização do tanino, entretanto, essas sugestões precisam ser analisadas futuramente.

Biografia do Autor

Marisa Daniele Scherer, Universidade Federal do Paraná

Doutora em Engenharia e Ciência dos Materiais.

Marcelo Castro Perreira, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Analista A na Secretaria de Negócios

André Bellin Mariano, Universidade Federal do Paraná

Professor Colaborador do Programa de Pós Graduação em Engenharia e Ciência dos Materiais - PIPE

José Viriato Coelho Vargas, Universidade Federal do Paraná

Professor vinculado ao Departamento de Engenharia Mecânica da UFPR, Programa de Pós Graduação em Engenharia e Ciência dos Materiais - PIPE e Programa de Pós Graduação em Engenharia Mecânica.

Downloads

Publicado

2016-05-12

Edição

Seção

Artigos