Nas fissuras dos cadernos encardidos: o bordado testemunhal de Carolina Maria de Jesus

Autores

  • Fabiana Rodrigues Carrijo
  • João Bôsco Cabral dos Santos Bôsco Cabral dos Santos

Palavras-chave:

Discursividade literária, Escritura, Carolina Maria de Jesus

Resumo

Este artigo objetiva referendar a escritura de uma autora que conseguiu alçar voos mais longínquos do que suas limitadas condições socioeconômicas lhe impuseram. Propõe, ainda, mostrar que os escritos de Carolina Maria de Jesus indicam uma cisão conceitual do mundo através de uma ressignificação do discurso do cotidiano e este é materializado através de alegorias severamente vividas. A instância sujeito-autor coloca na experiência empírica de um discurso da exclusão a real experiência da fome e faz deste experimento uma forma de visão social. É inscrito nos aportes teóricos da AD (francesa) que o presente artigo ambiciona olhar para o corpus de base literária, ainda que incanônica, constituída pela obra intitulada Quarto de Despejo – Diário de uma favelada, com vistas a propor um trabalho em interface que, a par de bosquejar os processos de subjetivação, ambiciona, ainda, delinear o que estamos denominando discursividade literária incanônica em Carolina Maria de Jesus.

Biografia do Autor

Fabiana Rodrigues Carrijo

Doutoranda em Estudos Linguísticos no Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos do Instituto de Letras e Linguística na Universidade Federal de Uberlândia. Membro do Laboratório de Estudos Discursivos Foucaultianos. (LEDIF).

João Bôsco Cabral dos Santos Bôsco Cabral dos Santos

Professor Associado 2 do Instituto de Letras e Linguística da Universidade Federal de Uberlândia. Doutor em Estudos Linguísticos pela UFMG. Coordenador do Grupo de Pesquisa Laboratório de Estudos Polifônicos.

Downloads

Edição

Seção

Artigos