PRÁTICAS DE RECURSOS HUMANOS E COMPROMETIMENTO DA EQUIPE DE P&D&I

Autores

  • Célia Maria Ronzani UNINOVE / Professora de Ensino Superior na Universidade Nove de Julho, Diretoria Ciências Gerenciais, com atuação nos cursos de Formação Específica e Tecnologia em RH.
  • Priscila Rezende da Costa UNINOVE

DOI:

https://doi.org/10.19177/reen.v12e32019177-202

Palavras-chave:

Gestão de Pessoas, Comprometimento de Equipes de P&D&I, Capacidade de Inovação, Negócios Tradicionais, Negócios de Impacto Social.

Resumo

Neste artigo, buscou-se resposta para a seguinte questão de pesquisa: Como as práticas de gestão de pessoas favorecem o comprometimento de equipes de P&D&I e contribuem para a capacidade de inovação de negócios tradicionais e de impacto social? Foram adotados, como método de pesquisa, o estudo de caso múltiplo, sendo as unidades de análise: um negócio tradicional, a Braile, e um negócio de impacto social, o Cren; e a análise de conteúdo, com o auxílio do software Atlas Ti. Os dados foram coletados por meio de entrevistas semiestruturadas e pelo levantamento de documentos.

Biografia do Autor

Célia Maria Ronzani, UNINOVE / Professora de Ensino Superior na Universidade Nove de Julho, Diretoria Ciências Gerenciais, com atuação nos cursos de Formação Específica e Tecnologia em RH.

Mestre em Administração na Universidade Nove de Julho. MBA em Gestão de Pessoas e Docência no Ensino Superior pela Uninove. Psicóloga, pelo Centro Universitário das Faculdades Metropolitanas Unidas.Atualmente é professora de Ensino Superior na Universidade Nove de Julho, Diretoria Ciências Gerenciais, com atuação nos cursos de Formação Específica e Tecnologia em RH. Atuou por mais de 25 anos na área de RH em empresas privadas de pequeno, médio e grande porte como Consultora Interna e Externa de RH, em funções operacionais e de gestão. Como Consultora Externa, prestou serviços de Consultoria em RH através do Sebrae, Senai e Senac, além de muitas outras consultorias como parceira. Experiência em Gestão de Pessoas, nos subsistemas: Recrutamento e Seleção de Pessoal, Treinamento & Desenvolvimento, Avaliação de Desempenho, Gestão da Qualidade de Vida, Benefícios, apoio às ISOs e demais subsistemas de Recursos Humanos. Orientadora de alunos nos Projetos Integradores de Diagnostico de Clima Organizacional, Avaliação de Potencial e competências e Capital Intelectual. Palestrante em empresas, com temas comportamentais, em eventos da SIPAT, Liderança e motivação em geral. Analista Transacional, ministrando cursos e palestras em empresas, escolas e instituições filantrópicas. Participação em programas de implantação de coleta seletiva em edícios residencias. Auditora da Qualidade ? ISO 9000.

Priscila Rezende da Costa, UNINOVE

Doutora em Administração pela Universidade de São Paulo (FEA USP), 2012. Mestre em Administração pela Universidade de São Paulo (FEA RP USP), 2007. Graduada em Administração pela Universidade Federal de Lavras (UFLA), 2005. Atualmente é professora titular da Universidade Nove de Julho (UNINOVE), no Programa de Pós-graduação em Administração (PPGA). Coordena projeto de pesquisa financiado pelo CNPq (n° 471875/2014-7), intitulado Geração de Inovações para o Desenvolvimento Sustentável: Um Estudo com Empresas de Base Tecnológica de Economias Emergentes. Nos programas de Mestrado e Doutorado, leciona as disciplinas: Seminários de Dissertação, Fronteiras do Conhecimento em Metodologia da Pesquisa, Gestão e Internacionalização do Empreendedorismo Inovador e Tópicos Especiais em Inovação. Atua como editora científica da Revista de Administração e Inovação (RAI). É também avaliadora de periódicos na área de Administração, como: Revista de Gestão e Projetos, Exacta (Online), RAUSP, Revista de Administração, Contabilidade e Economia da FUNDACE (RACEF), Future Studies Research Journal, Internext, Gestão & Regionalidade e Desenvolvimento em Questão. Participa dos seguintes grupos de pesquisa: Gestão e Modelos da Inovação (UNINOVE), Estratégia de Inovação (UNINOVE), Inovação e Sustentabilidade (UNINOVE), Núcleo de Política e Gestão Tecnológica da USP e do Núcleo de Pesquisas em Inovação, Gestão Empreendedora e Competitividade da USP. Tem experiência na área de Administração e seus principais temas de pesquisa são: cooperação empresa-universidade, capacidades dinâmicas, capacidade relacional, capacidade absortiva e internacionalização da inovação.

Referências

BAHMANI, S.; GALINDO, M.; MÉNDEZ, M. Non-profit organizations, entrepreneurship, social capital and economic growth. Small Business Economics, v. 38, n. 3, p. 271-281, 2012.

BARNEY, J. Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of management, v. 17, n. 1, p. 99-120, 1991.

BASU, R. R.; BANERJEE, P. M.; SWEENY, E. G. Frugal innovation: core competencies to address global sustainability. Journal of Management for Global sustainability, v. 1, n. 2, p. 63-82, 2013.

BECKER, H. Notes on the concept of commitment. American journal of Sociology, v. 66, n. 1, p. 32-40, 1960.

BIGNETTI, L. As inovações sociais: uma incursão por ideias, tendências e focos de pesquisa. Ciências Sociais Unisinos, v. 47, n. 1, p. 3-14, 2011.

CAJAIBA-SANTANA, G. Social innovation: Moving the field forward. A conceptual framework. Technological Forecasting and Social Change, v. 82, p. 42-51, 2014.

CALDWELL, D. F.; CHATMAN, J. A.; O'REILLY, C. Building organizational commitment: A multifirm study. Journal of occupational Psychology, v. 63, n. 3, p. 245-261, 1990.

CAMELO-ORDAZ, C. et al. The influence of human resource management on knowledge sharing and innovation in Spain: the mediating role of affective commitment. The International Journal of Human Resource Management, v. 22, n. 07, p. 1442-1463, 2011.

CHANG, W.; WANG, Y.; HUANG, T. Work design–related antecedents of turnover intention: A multilevel approach. Human Resource Management, v. 52, n. 1, p. 1-26, 2013.

CHEN, C.; HUANG, J. Strategic human resource practices and innovation performance—The mediating role of knowledge management capacity. Journal of business research, v. 62, n. 1, p. 104-114, 2009.

COOPER, R. G.; EDGETT, S. J. Lean, Rapid and Profitable New Product Development. Stage-Gate International, 2009.

CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. Artmed, 2007.

DAMANPOUR, F.; GOPALAKRISHNAN, S. The dynamics of the adoption of product and process innovations in organizations. Journal of management studies, v. 38, n. 1, p. 45-65, 2001.

DE SAA-PEREZ, P.; DÍAZ-DÍAZ, N. L. Human resource management and innovation in the Canary Islands: an ultra-peripheral region of the European Union. The International Journal of Human Resource Management, v. 21, n. 10, p. 1649-1666, 2010.

DEFOURNY, J. Social Enterprise and the Third Sector: Changing European Landscapes in a Comparative Perspective. London and New York: Routledge, 2014

FARFUS, D.; ROCHA, M. C. D. S. Inovação Social: um conceito em construção. Inovações Sociais. Curitiba: SESI/SENAI/IEL/UNINDUS, 2007.

GODOY, A. S. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de administração de empresas, v. 35, n. 2, p. 57–63, 1995a.

GODOY, A. S. Pesquisa qualitativa: tipos fundamentais. Revista de Administração de empresas, v. 35, n. 3, p. 20-29, 1995.

GOPALAKRISHNAN, S.; DAMANPOUR, F. A review of innovation research in economics, sociology and technology management. Omega, v. 25, n. 1, p. 15-28, 1997.

HOPNER, A. Recursos Humanos Estratégico: Atuação e Papéis sob a Ótica de Profissionais de RH e Gestores de Outras Áreas. Anais do XXXII ENANPAD – Encontro nacional dos cursos de pós-graduação em administração, Rio de Janeiro, 2008.

ITELVINO, L. et al. Formação do empreendedor social ea educação formal e não formal: um estudo a partir de narrativas de história de vida. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, n. ahead, p. 0-0, 2018.

LAWSON, B.; SAMSON, D. Developing innovation capability in organisations: a dynamic capabilities approach. International journal of innovation management, v. 5, n. 03, p. 377-400, 2001.

MARESCAUX, E.; DE WINNE, S.; SELS, L. HR practices and affective organisational commitment:(when) does HR differentiation pay off?. Human Resource Management Journal, v. 23, n. 4, p. 329-345, 2013.

MARTINS, G. D. A.; THEÓPHILO, Carlos Renato. Metodologia da investigação cientifica. São Paulo: Atlas, 2009.

MCDERMOTT, A. M.; HEFFERNAN, M.; BEYNON, M. J. When the nature of employment matters in the employment relationship: A cluster analysis of psychological contracts and organizational commitment in the non-profit sector. The International Journal of Human Resource Management, v. 24, n. 7, p. 1490-1518, 2013.

MEYER, J. P.; ALLEN, N. J. A three-component conceptualization of organizational commitment. Human resource management review, v. 1, n. 1, p. 61-89, 1991.

MEYER, J. P., ALLEN, N. J. Commitment in the workplace: Theory, research, and application. Thousand Oaks, CA: Sage, 1997.

MEYER, J. P.; MALTIN, E. R. Employee commitment and well-being: A critical review, theoretical framework and research agenda. Journal of vocational behavior, v. 77, n. 2, p. 323-337, 2010.

MEYER, J. et al. Affective, continuance, and normative commitment to the organization: A meta-analysis of antecedents, correlates, and consequences. Journal of vocational behavior, v. 61, n. 1, p. 20-52, 2002.

MINAYO, M. Pesquisa social: Teoria, método e criatividade. Rio de Janeiro, RJ: Editora Vozes Ltda, 2011.

MOWDAY, R. T.; STEERS, R. M.; PORTER, L. W. The measurement of organizational commitment. Journal of vocational behavior, v. 14, n. 2, p. 224-247, 1979.

PHILLIPS, W. et al. Social innovation and social entrepreneurship: A systematic review. Group & Organization Management, v. 40, n. 3, p. 428-461, 2015.

SANTOS, F. M. A positive theory of social entrepreneurship. Journal of business ethics, v. 111, n. 3, p. 335-351, 2012.

SAUNILA, M.; PEKKOLA, S.; UKKO, J. The relationship between innovation capability and performance: The moderating effect of measurement. International Journal of Productivity and Performance Management, v. 63, n. 2, p. 234-249, 2014.

SAUNILA, M.; UKKO, J. A conceptual framework for the measurement of innovation capability and its effects. Baltic Journal of Management, v. 7, n. 4, p. 355-375, 2012.

SAUNILA, M.; UKKO, J. Intangible aspects of innovation capability in SMEs: Impacts of size and industry. Journal of Engineering and Technology Management, v. 33, p. 32-46, 2014.

SCHUMPETER, J. A. The Theory of Economic Development: An Inquiry into Profits, Capital, Credit, Interest, and the Business Cycle (1912/1934), 1961.

SEBRAE. Negócios de Impacto Social. Disponível em: <http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/sebraeaz/o-que-sao-negocios-de-impacto-social,1f4d9e5d32055410VgnVCM1000003b74010aRCRD>. Acesso em: Março de 2017.

STEERS, R. M. Antecedents and outcomes of organizational commitment. Administrative science quarterly, p. 46-56, 1977.

TIDD, J.; BESSANT, J. Gestão da inovação. 5.ed. Porto Alegre, RS: Bookman Editora, 2008.

TRIVIÑOS, A. Introdução à pesquisa em ciências sociais: o positivismo, a fenomenologia, o marxismo. São Paulo: Atlas, 1987.

WRIGHT, P. M.; MCMAHAN, G. C.; MCWILLIAMS, A. Human resources and sustained competitive advantage: a resource-based perspective. International journal of human resource management, v. 5, n. 2, p. 301-326, 1994.

YIN, R. Estudo de Caso-: Planejamento e Métodos. Bookman editora, 2015.

ZESCHKY, M. WIDENMAYER, B.; GASSMANN, O. Frugal innovation in emerging markets. Research-Technology Management, v. 54, n. 4, p. 38-45, 2011.

Downloads

Publicado

2020-04-29

Edição

Seção

Artigos Científicos