ENSINO MÉDIO INTEGRAL NO AGRESTE DE PERNAMBUCO: UM DIAGNÓSTICO À LUZ DA IMPLEMENTAÇÃO DE ESTRATÉGIAS

Autores

  • Maria Sandra da Conceição MPGOA/REP
  • André Gustavo Carvalho Machado PPGA/MPGOA/UFPB

DOI:

https://doi.org/10.19177/reen.v11e012018200-225

Palavras-chave:

Educação Integral, Implementação Estratégica, Desempenho Escolar, Ensino Médio.

Resumo

Este artigo objetiva analisar, sob a perspectiva da implementação estratégica, por que escolas integrais do ensino médio do Agreste de Pernambuco têm alcançado diferentes desempenhos nas últimas avaliações do IDEPE. A estratégia de pesquisa adotada foi de estudo de casos múltiplos em duas escolas. Os resultados evidenciaram que enquanto uma escola apresentou estratégias e ações integradas à proposta pedagógica da educação integral, a outra se manteve indiferente às exigências e demandas no período considerado. Conclui-se que aspectos associados à liderança, cultura e estrutura organizacionais concorreram para a variabilidade do desempenho. O estudo contribui para a prática da gestão escolar e melhoria dos resultados educacionais.

Biografia do Autor

Maria Sandra da Conceição, MPGOA/REP

Mestrado Profissional em Gestão nas Organizações Aprendentes - Universidade Federal da Paraíba -  UFPB - 2017.

Especialização em Gestão e Avaliação da Educação Pública - Universidade de Pernambuco UPE - 2014.

Especialização em Gestão e Organização da Escola - UNOPAR- 2012

Especialização em Ensino Aprendizagem- Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas  - FACISA - 2006.

 

André Gustavo Carvalho Machado, PPGA/MPGOA/UFPB

Professor do Departamento de Administração, do Programa de Pós-Graduação em Administração e do Programa de Pós-Graduação em Gestão nas Organizações Aprendentes da Universidade Federal da Paraíba

Referências

AROGYASWAMY, B.; BYLES, C. M. Organizational Culture: Internal and External Fits. Journal of Management, v.13, n.4, 1987, p.647-659.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BARNEY, J. Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of Management, v.17, n.1, p.99-120, 1991.

BARRETO, L. M. T. da S.; KISHORE, A.; REIS, G. G.; BAPTISTA, L. L.; MEDEIROS, C. A. F. Cultura organizacional e Liderança: uma relação possível? Revista de Administração, São Paulo, SP, v. 48, n.1, p.34-52, Jan./Fev./Mar. 2013.

BERNARDO, E. da S.; CHRISTOVÃO, A. C. Tempo de Escola e Gestão Democrática: o Programa Mais Educação e o IDEB em busca da qualidade da educação. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 41, n. 4, p. 1113-1140, out./dez. 2016.

CALEGARI, D; PEREIRA, M. F. Planejamento e estratégia das escolas: o que leva as escolas a ter alto desempenho. São Paulo: Atlas, 2013.

CARAVANTES, Geraldo R., CARAVANTES, Cláudia B., KLOECHNER, Mônica C. Comunicação e Comportamento organizacional. Porto Alegre: ICDEP, 2009.

CARTER, C.; CLEGG, S.; KORNBERGER, M. Strategy as practice? Strategic Organization, Toronto, CA, v.6, n.1, p.83-99, Feb. 2008.

CASTRO A. B. C.; BRITO, L. M. P.; DOS SANTOS, R. S.; VARELA, J. H. O planejamento estratégico como ferramenta para a gestão escolar: um estudo de caso em uma instituição de ensino filantrópica da Bahia/BA. Holos, v.2, n.195-211, 2015.

CHANDLER, A. D. Introdução a strategy and structure. IN: CASTRO A. B. C. et al. Ensaios para uma teoria histórica da grande empresa. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1998, p.119-140.

COSTA, A. C. G. da. Pedagogia da presença: da solidão ao encontro. Belo Horizonte: Modus Faciendi, 2001.

COSTA, A. S. F. AKKARI, Abdeljalil. SILVA, Rossana Valéria Souza. Educação Básica No Brasil: Políticas Públicas e Qualidade. Práxis Educacional, v. 7, n. 11 p. 73-93 jul./dez. 2011.

CZERNISZ, E. C. da S.; PIO C. A. Ensino Médio Integral: Desafios e Perspectivas. Revista NUPEM, v. 9, n. 17, p. 60-71, maio/ago. 2017.

DAVIES, B. Process not plans are the key to strategic development. Management in Education, v.20, n.2, p.11-15, 2006.

DAVIES, B. J.; DAVIES, B. Strategic Leadersip. School Leadership & Managament, v. 24, n.1, p.29-38, 2004.

DOURADO, L. F. OLIVEIRA, J. F. de. A Qualidade da Educação: Perspectivas e Desafios. Cad. Cedes, Campinas v. 29, n. 78, p. 201-215, maio/ago. 2009.

DUTRA, P.; VASCONCELOS, F. Educação Integral no Estado de Pernambuco: Uma Realidade no Ensino Médio. 2013. 99f. Dissertação (Mestrado Profissional em Gestão e Avaliação da Educação Pública) - Faculdade de Educação, Universidade Federal de Juiz de Fora, Minas Gerais, 2013.

ESTEVÃO, C. A. V. Gestão Estratégica nas Escolas. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional, 1998.

INEP. IDEB – Resultados e Metas. Disponível em: <http://ideb.inep.gov.br/> . Acesso em: 27 set. 2016.

JARZABKOWSKI, P. Strategy as practice: an activity based approach. 2. ed. California: Sage, 2005.

KICH, J. I. di F.; PEREIRA, M. F. A influência da liderança, cultura, estrutura e comunicação organizacional no processo de implantação do planejamento estratégico. Cad. EBAPE.BR, Rio de Janeiro, v. 9, n. 4, p. 1045-1065, Dez. 2011.

KRAWCZYCK, N. Ensino Médio: empresários dão as cartas na escola pública. Educação & Sociedade, v. 35, n. 126, p. 21-41, jan.-mar. 2014.

LIBÂNEO, J. C. Organização e gestão da escola: teoria e prática. Goiânia: Alternativa, 2001.

LIBÂNEO, J. C.; OLIVEIRA, J. F. de; TOSCHI, M. S. Educação Escolar: políticas, estrutura e organização. Docência em formação – Saberes pedagógicos. São Paulo, Ed.Cortez, 2012.

LIMA, U. do C. W. O Programa de Educação Integral das Escolas de Referência em Ensino Médio da Rede Pública Estadual de Pernambuco (2008-2013). 2014. 180f. Dissertação (Mestrado Profissional em Gestão Pública para o Desenvolvimento do Nordeste) - Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Pernambuco, 2014.

LÜCK, H. As Dimensões da Gestão Escolar e suas competências. Editora Positivo. Curitiba. 2009.

LÜCK, H. Gestão da Cultura e do Clima Organizacional da Escola. Editora Vozes. Petropóles, RJ. 2011.

MATTHEWS, J. H.; SHULMAN, A. D. Competitive advantage in Public sector organizations: Explaining the public good/sustainable competitive advantage paradox. Journal of Business Research, v. 58, n. 2, p. 232-240, 2005.

MEC. Portaria Normativa Interministerial nº. 17, de 24 de abril 2007. Programa Mais Educação. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2007.

MERRIAM, S. B. Qualitative Research: A guide to design and implementation, Revised and Expanded from Qualitative research and case study applications in education. San Francisco: Jossey-Bass, 2009.

MINTZBERG, H.; WATERS, J. A. Of Strategies, Deliberate and Emergent. Strategic Management Journal, v.6, n.3, p.257-273, jul.-sep. 1985.

NARDI, E. L. SCHNEIDER, M. P. RIOS Mônica Piccione Gomes. Qualidade na Educação Básica: ações e estratégias dinamizadoras. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 39, n. 2, p. 359-390, abr./jun. 2014.

PAIVA, R. V. C. et al. Estratégia e competitividade: um estudo multicaso da educação superior privada brasileira. Revista Eletrônica de Estratégia & Negócios, Florianópolis, v.7, n.3, set./dez. p. 30-62, 2014.

PARO, V. H. Administração Escolar: Introdução Crítica. São Paulo, Cortez, 2015

PERNAMBUCO. Construindo a excelência em gestão escolar: curso de aperfeiçoamento: Módulo I - Políticas Públicas para a Educação/ Secretaria de Educação. Recife: Secretaria de Educação do Estado, 2012.

PETTIGREW, A. M. Context and Action in the Transformation of the Firm. Journal of Management Studies, v.24, n.6, p.649-670, nov. 1987.

POISTER, T. H. The Future of Strategic Planning in the Public Sector: Linking Strategic Management and Performance. Public Administration Review, 70, p.246-254, dec. 2010.

PORTER, M. E.; The Contributions of Industrial Organization to Strategic Management: The Academy of Management Review, v. 6, n. 4, p. 609-620, Oct. 1981.

QUINN, J. B. Strategic Change: “logical incrementalism”. Sloan Management Review, v.20, issue 1, p.7-21, fall, 1978.

RAHIMNIA, F.; POLYCHRONAKIS, Y.; SHARP, J. A conceptual framework of impeders to strategy implementation from an exploratory case study in an Iranian university, Education, Business and Society: Contemporary Middle Eastern Issues, v.2, n.4, p. 246 – 261, 2009.

ROBBINS, S. P. Comportamento organizacional. 11. ed. São Paulo: Prentice Hall, 2002.

ROMANELLI, E.; TUSHMAN, M. L. Organizational transformation as punctuated equilibrium: an empirical test. Academy of Management Journal, v. 37, n.5, p. 1141-1166, Oct 1994.

ROWE, W. G. Liderança estratégica e criação de valor. Revista de Administração de Empresas, v. 42, n. 1, Jan./Mar. 2002.

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO. Educação Integral. Disponível em: <http://www.educacao.pe.gov.br/portal/?pag=1&men=70&>. Acesso em: 10 dez. 2016.

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO. O que é BDE (Bônus de Desempenho Educacional). Disponível em: <http://www.educacao.pe.gov.br/diretorio/pmg2/bde.html>. Acesso em: 10 dez. 2016.

SEE. Superintendência Pedagógica /Secretaria Executiva de Educação Profissional de Pernambuco. Resultados do IDEPE 2014/2015. Recife -PE, 2016.

SEVERO, E. A. et al. Estrutura organizacional das empresas inovadoras no Brasil. Revista Espacios, Caxias do Sul, RS, v. 33, n 11, Junho, 2012.

SILVA, K. N. P.; SILVA, J. A. de A. As políticas sociais e a “nova estratégia” de educação integral no Brasil. Série-Estudos - Periódico do Programa de Pós-Graduação em Educação da UCDB, Campo Grande, MS, n. 36, p. 109-128, jul./dez. 2013.

SOUSA, M. P.; SILVA, S. C.; PIRES, E. C. M. de G.; FERREIRA, E.; PASSOS, D. F. O. Implementação de estratégias nas lojas Maia Magazine Luiza: Um estudo sobre os elementos da estrutura, liderança, poder e cultura organizacional. In: Simpósio de Excelência Gestão e Tecnologia para a Competitividade. 2013, Disponível em: < http://www.aedb.br/seget/arquivos/artigos13/50818652.pdf >. Acesso em 25 de Jan. 2016.

TEECE, D.J.; PISANO, G.; SHUEN, A. Dynamic capabilities and strategic management. Strategic Management Journal, v. 18, n. 7, p. 509-533, 1997.

WRIGHT, P.; KROLL, M. J. e PARNELL, J. Administração Estratégica: Conceitos. São Paulo: Atlas, 2000.

Downloads

Publicado

2018-12-28

Edição

Seção

Artigos Científicos