COOPERAÇÃO ENTRE TECNOLOGIA E TURISMO: A IMPORTÂNCIA DE DIAGNOSTICAR A MATURIDADE DOS CLUSTERS

Autores

  • Cristina Martins Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE
  • Gabriela Gonçalves Silveira Fiates Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC
  • Anderson Sasaki Vasques Pacheco Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE

DOI:

https://doi.org/10.19177/reen.v10e32017124-148

Palavras-chave:

Clusters, Turismo, Tecnologia, Estágio de Maturidade, Florianópolis.

Resumo

Na presente pesquisa objetiva-se identificar o processo de formação e o nível de maturidade dos clusters de tecnologia e de turismo de Florianópolis. Assim, analisou-se um estudo de caso descrito por meio de três modelos de análise, em que os dados foram coletados por questionários e entrevistas. Como principais resultados, observou-se que ambos os clusters se desenvolveram de forma orgânica, mas atualmente o cluster tecnológico encontra-se em um estágio mais avançado do que o cluster de turismo. Sugere-se que ambos fortaleçam as parcerias entre si e com o setor público, criando ações coletivas e expandindo internacionalmente sua visibilidade.

Biografia do Autor

Cristina Martins, Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE

Professora Titular E Assesora de Pesquisa pelo Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE. Doutorado (2017) em Administração pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC. 

Gabriela Gonçalves Silveira Fiates, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC

Professora Adjunta III da Universidade Federal de Santa Catarina no Departamento de Administração/CSE. Além disso, atua como Subcoordenadora no Programa de Pós-graduação em Administração.

Anderson Sasaki Vasques Pacheco, Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE

Professor do Centro Universitário de Brusque - UNIFEBEDoutor em Sociologia Econômica das Organizações pela Universidade de Lisboa

Referências

ANPROTEC. Associação Nacional De Entidades Promotoras De Empreendimentos Inovadores. Land2Land. 2015. Disponível em: http://anprotec.org.br/site/2015/08/plataforma-land2land-tem-novasfuncionalidades/>. Acesso em: 06 fev. 2017.

AMARAL E SILVA, W. A.; TEIXEIRA, R. M. Adoção de Tecnologia da Informação pelas Micro e Pequenas Empresas do Setor Hoteleiro de Sergipe. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo. São Paulo, v. 8, n. 1, p. 59-77, jan/mar. 2014.

BAIDAL, J. A. I.; REBOLLO, J. F. V.; FERNÁNDEZ, A. A. Políticas de innovación en turismo y desarrollo de clusters: la percepción gerencial en el programa agrupaciones empresariales inovadoras (AEIS). Cuadernos de Turismo, n. 33, p. 97-120 ISSN: 1139-7861, 2014.

BENI, M. C. Globalização do turismo: megatendências do setor e a realidade brasileira. 1. ed. São Paulo: Aleph, 2003. cap. 1 e 2.

BUHALIS, D. Tourism: Information Technology for Strategic Management. London: Prentice Hall, 2003

BUHALIS, D.; LAW, R. Progress in information technology and tourism management: 20 years on and 10 years after the Internet: the state of eTourism research. Tourism Management, 29, p. 609-623, 2008.

CELTA. Centro empresarial para laboração de tecnologias avançadas. Soft Landing. 2014. Disponível em:<http://www.celta.org.br/informativo.php?infonumber=15082014&datainfo=15/08/2014>. Acesso em: 11 jan. 2017.

CHOI, Y.; OKAMOTO, N. Present Situation of Internal Stakeholders of Place Branding in Japan: municipalities in Kanto and Koshin-etsu. Business Source Complete, v. 47, n.2, p. 103-111, 2012.

ERAQI, I. M. It as a means for enhancing competitive advantage. Anatolia: an international journal of tourism and hospitality research. v. 17, n.1, p. 25-42, 2006.

FARIAS, S. A.; SANTOS FILHO, M. J.; BARBOSA, M. D.; COSTA, C. S. Experiência extraordinária na internet? Uma análise da oferta de experiência em portais de turismo governamentais. REGE, v. 18, n. 3, p. 451-468, 2011.

GĂZDAC, R. M. Tourism and technology. Revista de Management si Inginerie Economică, v. 8, n. 3, p. 147- 153, 2009.

GOVERS, R. Technology Impact on Cultural Tourism. International Journal Tourism Research, 3, p. 325-335, 2001.

HJALAGER, A. Innovation policies for tourism. International Journal of Tourism Policy, v. 4, n. 4, p. 336-356, 2012.

KELLER, P. Innovation and Tourism Policy. Paris: OECD, p. 17-40, 2006

KIESE, Matthias. Policy transfer and institutional learning: an evolutionary perspective on regional cluster policies in Germany. In: FORNAHL, D., HENN, S., MENZEL, M. P. (Eds.) Emerging clusters, p. 324-353, 2010.

KORRES, M. G. The role of innovation activities in tourism and regional growth in Europe. Tourismos: an international multidisciplinary journal of tourism, v.3, n. 1. p. 135-152, 2008.

LEFEBVRE, P. Organised clusters evolutions: from cluster life-cycle approaches to the action trajectories approach. In: INTERNATIONAL SEMINAR ON REGIONAL INNOVATION POLICIES, 7, Porto, Portugal. Anais... Porto, Portugal, out. 2012, 41p.

MANZINI, R. Abordagem para identificação, análise e caracterização dos estágios de desenvolvimento dos clusters: um estudo em regiões. 178 f. 2013.Tese (Doutorado em Administração de Empresas). Fundação Getúlio Vargas São Paulo, São Paulo, 2013.

Disponível em: <http://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/bitstream/handle/10438/10970/R

EINALDO%20BELICKAS%20MANZINI2.pdf?sequence=1>. Acesso em: 22 ago. 2015.

MARTINS, C. FIATES, G.G.S., PINTO, A. L. A relação entre os clusters de turismo e tecnologia e seus impactos para o desenvolvimento local: um estudo bibliométrico da produção científica. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo. São Paulo, v. 10, n. 1, p. 65-88, jan./abr. 2016.

MARTINS, C. Um framework para análise da contribuição conjunta dos clusters de tecnologia e de turismo para a inovação e o desenvolvimento territorial. 387f. 2017. Tese (Doutorado em Administração). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2017.

NOVELLI, M.; SCHMITZ, B.; SPENCER, T. Networks, clusters and innovation in tourism: a UK experience. Tourism Management, v. 27, n. x, p. 1141-1152, 2006.

PIETROBON, F. Proposta de um modelo para identificação do nível de maturidade de aglomerados produtivos. 117 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção). PPGEP-UTFPR. Ponta Grossa, 2009.

PORTER, M. Clusters and the new economics of competitiveness. Harvard Business Review December, v.76, n. 6, p. 77-90, 1998.

PORTER, M. Competição: estratégias competitivas essenciais. 13 ed. São Paulo: Campus, 1999.

PRADO, D. S. Gerenciamento de Portfólios, Programas e Projetos nas Organizações. Nova Lima: Editora Falconi, 2004.

ROMERO, P. NUNES, F. Operacionalização da teoria dos ciclos de vida dos clusters. As indústrias criativas como contexto para a reflexão e o Software Educacional e de Entretenimento no Norte de Portugal como caso de estudo. Revista de Geografia e Ordenamento do Território - GOT, n. 4, p. 273-298, 2013.

SEBRAE. Serviço Brasileiro De Apoio Às Pequenas Empresas. Connect Américas: rede empresarial de apoio a internacionalização. 2017. Disponível em: <http://ois.sebrae.com.br/boaspraticas/connectamericas-rede-social-empresarial-das-americas/>. Acesso em: 24 jan. 2017.

SCHERTLER, W. Tourismus als Informationsgeschä. Vienna: Ueberreuter, 1995.

SEVRANI, K.; ELMAZI, L. ICT and the changing landscape of tourism distribution-a new dimension of tourism in the global conditions. Journal of Tourism, n. 6, p. 22-29, 2008.

SÖLVELL, O., LINDQVIST, G.; KETELS, C.H. The Cluster Initiative Green-book. Stockolm: Ivory Tower AB, 2003. Disponível em: http://www.clusterpolisees3.eu/ClusterpoliSEEPortal/resources/cms/documents/2003_The_Cluster_Initiative_Greebook.pdf>. Acesso em: 22 agos. 2015.

STAKE, R.E. Pesquisa qualitativa/naturalista: Problemas epistemológicos. Educação e Seleção, 7: 19-27, jan./jun. 1983.

WEIERMAIR, Klaus. Threats and Opportunities of Information Technologies: the case of small-and medium-sized tourism enterprises. In MINISTRY OF CULTURE & TOURISM OF KOREA (Gov). A New Era in Information Technology, p. 35-52, 1998.

Downloads

Publicado

2018-04-11

Edição

Seção

Artigos Científicos