INOVAÇÃO COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE PEQUENAS EMPRESAS: ESTUDO DE CASOS COM FARMÁCIAS PARTICIPANTES DO PROGRAMA AGENTES LOCAIS DE INOVAÇÃO EM RONDÔNIA

Autores

  • Váldeson Amaro Lima Universidade Municipal de São Caetano do Sul Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia http://orcid.org/0000-0001-5148-1199
  • Carlos André da Silva Müller Fundação Universidade Federal de Rondônia

DOI:

https://doi.org/10.19177/reen.v10e3201747-79

Palavras-chave:

Inovação em pequenas empresas, Programa ALI, Farmácias de manipulação, Estratégia de inovação, Radar inovação

Resumo

O presente estudo teve por objetivo analisar o processo de inovação em pequenas empresas participantes do programa ALI em Rondônia, verificando o desenvolvimento de competências em relação à evolução do grau de inovação de pequenas farmácias de manipulação. O método de estudo de casos foi empregado com três empresas do setor, considerando os dados do radar inovação, análise SWOT, entrevistas com gestores e colaboradores e observação participante. A tendência de desenvolvimento ou aprimoramento de competências a partir da implementação de inovações no âmbito do programa ALI foi verificada, permitindo a elaboração de uma articulação entre recursos, competências e inovação inerentes à atividade.

Biografia do Autor

Váldeson Amaro Lima, Universidade Municipal de São Caetano do Sul Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia

Doutorando em Administração pela Universidade Municipal de São Caetano do Sul

Professor EBTT de Administração no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia

Pesquisador membro do Grupo de Estudos e Pesquisa em Inovação e Sustentabilidade da Amazônia

Carlos André da Silva Müller, Fundação Universidade Federal de Rondônia

Doutor em Economia Aplicada pela Universidade Federal de Viçosa

Professor no Programa de Pós-Graduação em Administração da Fundação Universidade Federal de Rondônia

Referências

BACHMANN, D. L.; DESTEFANI, J. H. Metodologia para estimar o grau de inovação nas MPEs: cultura do empreendedorismo e inovação. Anais do XVIII Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas. Aracaju, SE, Brasil, 22 a 26 de setembro de 2008. Recuperado de http://www.bachmann.com.br/website/documents/ArtigoGraudeInovacaonasMPE.pdf

BARBOSA, A. C.; CINTRA, L. P. Inovação, competências e desempenho organizacional - articulando construtos e sua operacionalidade. Future Studies Research, v. 4, n. 1, p. 31-60, 2012. Recuperado de https://www.revistafuture.org/FSRJ/article/viewFile/76/158

BARNEY, J. B. Firm resource and sustained competitive advantage. Journal of Management, v. 17, n. 1, p. 99-120, 1991. Recuperado de 10.1177/014920639101700108

BARNEY, J. B. The resource-based theory of the firm. Organization Science, v. 7, n. 5, p. 469-496, 1996. Recuperado de https://doi.org/10.1287/orsc.7.5.469

BARNEY, J. B. Gaining and sustaining competitive advantage. Upper Saddle River, NJ: Prentice Hall, 2002.

BAUMANE, I.; LIND, P.; SIMONOVA, T.; TIMOFEJEVS, A.; VEDINA, R.; WRÓBEL, P. Innovation capabilities in tourism and food production SMEs in the Baltic Sea region. International Journal of Knowledge Management Studies, v. 4, n. 4, p. 336-358, 2011. Recuperado de http://dx.doi.org/10.1504/IJKMS.2011.048442

CASTRO, A. M.; LIMA, S. M.; BORGES-ANDRADE, J. E. Metodologia de planejamento estratégico para as unidades do Ministério da Ciência e Tecnologia. Brasília, DF: Ministério da Ciência e Tecnologia, 2005.

CARVALHO, G. D.; SILVA, W. V.; PÓVOA, A. C.; CARVALHO, H. G. Radar da inovação como ferramenta para o alcance de vantagem competitiva para micro e pequenas empresas. Revista de Administração e Inovação, v. 12, n. 4, p. 162-186, 2015. Recuperado de http://dx.doi.org/10.11606/rai.v12i4.101898

Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. ALI - Agentes Locais de Inovação. CNPq: 2015. Recuperado de http://cnpq.br/apresentacao-ali

CONNER, K. R.; PRAHALAD, C. K. A resource-based theory of the firm: knowledge versus opportunism. Organization Science, v. 7, n. 5, p. 477-501, 1996. Recuperado de http://www.jstor.org/stable/2635286

CRESWELL, J. W. Qualitative inquiry and research design: choosing among five approaches. 3.ed. London: Sage, 2013.

CUNHA, N. C. V.; CARVALHO, M. S. L.; BARTONE, A. L. C. Estudo do radar da inovação em três empresas do segmento de autopeças de Sorocaba. Revista Pensamento e Realidade, v. 30, n. 1, p. 3-20, 2015. Recuperado de https://revistas.pucsp.br/index.php/pensamentorealidade/article/view/20558/17109

DA SILVA, F. M.; RUAS, R. L. Competências coletivas: considerações acerca de sua formação e desenvolvimento. Revista Eletrônica de Administração, v. 22, n. 1, p. 252-278, 2016. Recuperado de http://dx.doi.org/10.1590/1413-2311.0102015.54938

DA SILVA NÉTO, A. T.; TEIXEIRA, R. M. Inovação de micro e pequenas empresas: mensuração do grau de inovação de empresas participantes do projeto Agentes Locais de Inovação. Brazilian Business Review, v. 11, n. 4, p. 1-29, 2014. Recuperado de http://dx.doi.org/10.5773/rai.v8i3.864

DESIDÉRIO, P. H.; POPADIUK, S. Redes de inovação aberta e compartilhamento do conhecimento: aplicações em pequenas empresas. Revista de Administração e Inovação, 12(2): 110-129, 2015. Recuperado de http://dx.doi.org/10.11606/rai.v12i2.100335

FLEURY, M. T.; FLEURY, A. C. Alinhando estratégia e competências. Revista de Administração de Empresas, v. 44, n. 1, p. 44-57, 2004. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/rae/v44n1/v44n1a12.pdf

FORSMAN, H. Innovation capacity and innovation development in small enterprises. Research Policy, v. 40, n. 5, p. 739-750, 2011. Recuperado de https://doi.org/10.1016/j.respol.2011.02.003

GIL, A. C. Estudo de caso. São Paulo: Atlas, 2009.

GRANT, R. M. Prospering in dynamically-competitive environments: organizational capability as knowledge integration. Organization Science, v. 7, n. 4, p. 375-387, 1996. Recuperado de https://doi.org/10.1287/orsc.7.4.375

HASENCLEVER, L.; TIGRE, P. B. Estratégias de inovação. In: KUPFER, D.; HASENCLEVER, L. (Orgs.). Economia Industrial: fundamentos teóricos e práticos no Brasil. Rio de Janeiro: Elsevier, 2013.

HELFAT, C. E.; PETERAF, M. A. The dynamic resource-based view: capability lifecycles. Strategic Management Journal, v. 24, n. 10, p. 997-1010, 2003. Recuperado de http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/smj.332/epdf

KRAAIJENBRINK, J.; SPENDER, J-C.; GROEN, A. J. The resource-based view: a review and assessment of its critiques. Journal of Management, v. 36, n. 1, p. 349-372, 2010. Recuperado de 10.1177/0149206309350775

LEITE, J. B. D.; PORSSE, M. C. S. Competição baseada em competências e aprendizagem organizacional: em busca da vantagem competitiva. Revista de Administração Contemporânea, Edição Especial, p. 121-141, 2003. Recuperado de http://dx.doi.org/10.1590/S1415-65552003000500007

LEWIS, M. Competence Analysis and the Strategy Process. Tese de doutorado. Engineering Department, University of Cambridge, Cambridge, England, 1995.

LIMA, V. A. Mapas cognitivos de inovação em empreendimentos de pequeno porte. Dissertação de mestrado. Programa de Pós-Graduação em Administração, Universidade Federal de Rondônia, Porto Velho, Brasil, 2015. Recuperado de https://drive.google.com/file/d/0B31O7OeLzSBIRU5kNzBnTkZBeHc/view

LIMA, S. M. V.; CASTRO, A. M. G.; MACHADO, M. S. Metodologia de avaliação de necessidade futura de competências essenciais em organizações de P&D, com base no processo de geração do conhecimento. Revista Psicologia: Organização e Trabalho, v. 7, n. 2, p. 5-29, 2007. Recuperado de https://periodicos.ufsc.br/index.php/rpot/article/view/1924

LIMA, V. A.; MÜLLER, C. A. S. Competências essenciais em uma pequena farmácia de manipulação. Anais do 6º Congresso Latino Americano de Varejo, São Paulo, SP, Brasil, 24 de outubro de 2013.

LIMA, V. A.; MÜLLER, C. A. S. Por que as pequenas empresas não inovam? Fatores relevantes da inovação em empresas participantes do programa Agentes Locais de Inovação em Rondônia (Amazônia, Brasil). Anais do XIX SemeAd - Seminários em Administração, São Paulo, SP, Brasil, 09-11 de novembro de 2016.

MICHAUX, V. Articular as competências individual, coletiva, organizacional e estratégica: esclarecendo a teoria dos recursos e do capital social. In: RETOUR, D.; PICQ, T.; DEFÉLIX, C.; RUAS, R. (Orgs.). Competências coletivas: no limiar da estratégia. Porto Alegre: Bookman, 2011.

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior do Brasil. Atlas Nacional de Comércio e Serviços. Brasília: MDIC, 2013. Recuperado de http://www.mdic.gov.br/arquivos/dwnl_1414414334.pdf

MIRANDA, K. F.; VASCONCELOS, A.; LUCA, M. M. M.; CABRAL, J. E. O. A capacidade inovativa e o desempenho econômico-financeiro de empresas inovadoras brasileiras. Revista Eletrônica de Administração, v. 21, n. 2, p. 269-299, 2015. Recuperado de http://dx.doi.org/10.1590/1413-2311.0082014.47273

NELSON, R. R. Schumpeter e as pesquisas contemporâneas sobre a economia da inovação. In: NELSON, R. R. As fontes do crescimento econômico. Campinas: UNICAMP, 2006.

Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico. Manual de Oslo: diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação. 3.ed. São Paulo: Financiadora de Estudos e Projetos, 2005. Recuperado de http://www.finep.gov.br/images/apoio-e-financiamento/manualoslo.pdf

PARDO, M. R. Estilo cognitivo de gestores e grau de inovação em restaurantes de Porto Velho-RO. Dissertação de mestrado. Programa de Pós-Graduação em Administração, Universidade Federal de Rondônia, Porto Velho, Brasil, 2014. Recuperado de http://www.ppga.unir.br/downloads/3926_mariana_rodrigues_pardo.pdf

PAREDES, B. J. B.; SANTANA, G. A.; FELL, A.F.A. Um estudo da aplicação do radar da inovação: o grau de inovação organizacional em uma empresa de pequeno porte do setor Metal-mecânico. Navus Revista de Gestão e Tecnologia, v. 4, n. 1, p. 76-88, 2014. Recuperado de https://doi.org/10.22279/navus.2014.v4n1.p76-88.137

PENROSE, E. T. The theory of the growth of the firm. New York: John Wiley, 1959.

PORTER, M. Vantagem competitiva: criando e sustentando um desempenho superior. 15.ed. Rio de Janeiro: Campus, 1989.

REIS, D. R.; CARVALHO, H. G.; CAVALCANTE, M. B. Gestão da inovação: inovar para competir. Brasília: SEBRAE, 2009.

RODRIGUES, T. K.; LIRA, A. M.; NAAS, I. A.; COSTA, I.; VILAS BOAS, A. A.; CAPPELLE, M. C.; SÁ, G. E. Interfaces e delimitações da orientação para a inovação de micro e pequenas empresas brasileiras. Teoria e Prática em Administração, v. 4, n. 2, p. 155-179, 2014. Recuperado de http://periodicos.ufpb.br/index.php/tpa/article/view/16661/12533

RUMELT, R. P. Towards a strategic theory of the firm. In: LAMB, R. (Org.). Competitive strategic management. Englewood Cliffs: Prentice Hall, 1984.

SAWHNEY, M.; WOLCOTT, R. C.; ARRONIZ, I. The 12 different ways for companies to innovate. MIT Sloan Management Review, v. 47, n. 3, p. 74-81, 2006. Recuperado de http://sloanreview.mit.edu/article/the-different-ways-for-companies-to-innovate/

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. Agentes Locais de Inovação: manual do participante. Brasília: SEBRAE, 2011.

SCHREIBER, D.; BESSI, V. G.; PUFFAL, D. P.; TONDOLO, V. A. G. Posicionamento estratégico de MPE´s com base na inovação através do modelo hélice tríplice. Revista Eletrônica de Administração, v. 19, n. 3, p. 767-795, 2013. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/read/v19n3/v19n3a09.pdf

ŚLEDZIK, K. Schumpeter’s View on Innovation and Entrepreneurship. In: HITTMAR, S. (Org.). Management Trends in Theory and Practice. Faculty of Management Science and Informatics, University of Zilina & Institute of Management by University of Zilina, 2013. Recuperado de http://dx.doi.org/10.2139/ssrn.2257783

SIMÕES, L. C.; OLIVEIRA, M. A. C.; MENDES, D. R. F.; PINHEIRO, A. A. Radar inovação: um estudo de caso das prestadoras de serviço de Brasília/DF. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, v. 4, n. 2, p. 133-152, 2015. Recuperado de http://www.regepe.org.br/index.php/regepe/article/view/167

TIDD, J.; BESSANT, J. Managing innovation: integrating technological, market and organizational change. 5.ed. New York: John Wiley, 2013.

TIDD, J.; BESSANT, J. Gestão da inovação. 5.ed. Porto Alegre: Bookman, 2015.

WERNERFELT, B. A resource-based view of the firm. Strategic Management Journal, v. 5, n. 2, p. 171-180, 1984. Recuperado de http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/smj.4250050207/abstract

YANIKIAN, V. P. M.; PAMPLONA, J. B. O sistema federal de financiamento à inovação no Brasil. Pesquisa & Debate, v. 26, n. 1, p. 35-72, 2015. Recuperado de https://revistas.pucsp.br/index.php/rpe/article/view/22280/16277

YIN, R.K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 5.ed. Porto Alegre: Bookman, 2015.

ZHANG, Y.; SHI, Y.; ZHANG, P. Core Competencies for Commercializing Emerging Technologies. Anais do The 14th Cambridge International Manufacturing Symposium, Cambridge, England, 2009.

Downloads

Publicado

2018-04-11

Edição

Seção

Artigos Científicos