IDENTIFICAÇÃO DOS FATORES COMPETITIVOS PRESENTES NO CLUSTER DE CONFECÇÕES DE JOÃO PESSOA NO ESTADO DA PARAÍBA

Autores

  • Carlos César de Oliveira Lacerda Universidade Federal de Pernambuco - UFPE
  • Sandra Maria Araújo de Souza
  • Aline Lacerda Lino da Silva

DOI:

https://doi.org/10.19177/reen.v9e22016106-133

Palavras-chave:

Competitividade, Cluster, Confecções.

Resumo

Este trabalho objetivou identificar quais os fundamentos de competitividade do modelo de Zaccarelli et al. (2008) estão presentes no cluster de confecções de João Pessoa-PB. A pesquisa é descritiva e qualitativa, conduzida mediante estudo de caso simples. O modelo utilizado permitiu descrever as características do cluster de João Pessoa-PB, onde se podem perceber indícios dos onze fundamentos propostos. Assim, o trabalho contribuiu com a pesquisa em clusters a partir da validação do modelo de Zaccarelli et al. (2008), além de contribuir na identificação de aspectos passíveis de melhorias no cluster para que este possa se tornar mais competitivo e representativo.

Biografia do Autor

Carlos César de Oliveira Lacerda, Universidade Federal de Pernambuco - UFPE

Bolsista de mestrado no programa de pós-graduação em Administração pela Universidade Federal de Pernambuco (PROPAD-UFPE).

Referências

AGUIAR, V. S.M. Propostas de estatísticas de competitividade para o setor de confecções no Estado da Paraíba. Dissertação (Mestrado em Ciências da Sociedade) – Pós-Graduação em Ciências da Sociedade, Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande, 1999.

BRASIL. Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA). Resolução nº 237, de 19 de dezembro de 1997. Dispõe sobre a efetivação da utilização do sistema de licenciamento como instrumento de gestão ambiental, instituído pela Política Nacional do Meio Ambiente. Brasília, 1997.

BRASIL. Lei nº 14793, de 11 de setembro de 2009. Dispõe sobre a organização de sistemas de coleta seletiva nos Grandes Geradores de Resíduos Sólidos do Município de São Paulo e dá outras providências. São Paulo, 2009.

BRASIL. Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Brasília, 2010.

CARMO, G. G. A.; ZILBER, M. A. Estratégias de crescimento e vantagem competitiva: um estudo qualitativo sobre franchising, na ótica do franqueado.Revista Eletrônica de Estratégia & Negócios, v. 3, n. 2, p. 159-179, 2011.

CHANDLER, A. Strategy and structure. Cambridge: M.I.T. Press, 463p., 1962.

CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 3.ed. Porto Alegre: Artmed/Bookman, 2010.

FARINA, E. M. M. Q.; ZYLBERSZTAJN, D. Competitividade no agrobusiness brasileiro São Paulo: PENSA/FIA/FEA/USO, 1998. Disponível em: <http://www.fia.com.br/PENSA>. Acesso em: 30 abr. 2015.

FIEP. Federação das Indústrias do Estado da Paraíba. Catálogo Industrial. 2009.

HOLANDA, L. M. C. de; SILVA, R. J. A. Estratégia e Criação do Conhecimento: um Estudo Exploratório no Setor de Confecções em Campina Grande – PB. Revista DESENVOLVIMENTO EM QUESTÃO,Editora Unijuí, ano 5, n. 10, jul./dez. 2007.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Atlas do Censo Demográfico. Rio de Janeiro, 2014.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATISTICA- IBGE. Coordenação de População e Indicadores Sociais. Rio de Janeiro, 2015.

JACOMETTI, M.; GONÇALVES, S. A.; CASTRO, M. Institutional work e conhecimento em Redes Interorganizacionais:uma proposta para investigar APLS. Revista de Administração Mackenzie, vol. 15, n.6.Edição Especial. p.17-47 São Paulo, 2014. ISSN 1678-6971.

KAMATH, Shyam; AGRAWAL, Jagdish; CHASE, Kris. Explaining geographic cluster Success – The GEMS model. American JournalofEconomicsandSociology, v. 71, n. 1, p. 184-214, 2012.

MARSHALL, A. (1890). Principles of Economics Book Four: The Agents of Production: Land, Labour, and Capital and Organization [Electronic version]. Disponível em: <http://www.marxists.org/reference/subject/economics/marshall/bk4ch10.htm>. Acesso em: 10 jan. 2015.

MARSHALL, A. Princípios de economia.São Paulo: Abril Cultural, 1985.

MEYER-STAMER, J.Micro-levelinnovationsandcompetitiveness. World Development, Vol. 23. No. 1, Jan. 1995.

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. Relatório Anual de Informações sociais – RAIS. 2010.

PEREIRA, C. E. C.; POLO, E. F.; SARTURI, G. Proposição de Métricas para Avaliação da Competitividade em Clusters: uma aplicação no grupamento têxtil e de confecções do Brás.ANPAD/2013, Anais... São Paulo, 2013.

PORTER, M.The Competitive Advantage of Nations.Macmillan, London, 1998.

PORTER, M. Estratégia competitiva. Rio de Janeiro: Campus, 1986.

PORTER, M. (1993) – A vantagem competitiva das nações. Campus. Rio de Janeiro.

PORTER, M. Competição on competition: estratégias competitivas essenciais. Rio de Janeiro: Campus, 1999.

SARTURI, G.; VARGAS, C. A. F.; BOAVENTURA, J. M. G.; SANTOS, S. A. Análise da Competitividade do Cluster da Serra Gaúcha (Brasil) em Relação ao Cluster Valle Del Maule (Chile) através do Modelo Teórico de Zaccarelli et al. (2008). ANPAD. Maio de 2013; Anais.

SACOMANO NETO, M.; PAULILLO, L.F.D.O.E. Estruturas de governança em arranjos calçadistas e sucroalcooleiro no estado de São Paulo. Revista de Administração Pública, 46(4), 1131–1156, 2012.

SARACENI, A. V.;ANDRADE JÚNIOR, P. P.;RESENDE, L. M. Gestão de conhecimento em aglomerados de empresas: rede de valor como instrumento para fortalecer o intercâmbio de conhecimento. Revista Eletrônica de Estratégiae Negócios, Florianópolis, v.6, n.1, p. 89-107, jan./abr. 2013.

SCHMITZ, H. Collective efficiency: growth path for small-scale industry. Journal of Development Studies, 31 (4), 529-566, 1995.

SCHMITZ, H.On the clustering ofs mallfirms.IDS Bulletin, v.23, n.3, July, 1992.

SEBRAE. Subsídios para a identificação de clusters no Brasil. Dez. 2002.

SIQUEIRA, J. P. L. D.; GERTH, F. M.; BOAVENTURA, J.; MAURÍCIO, G.Análise da competitividade dos clusters industriais de calçados de Franca e Birigui.Revista Gestão Organizacional,v. 4, n. 2, p. 102-112, 2011.

SOUZA, Sandra Maria Araújo de. Relações entre as formas de governança de arranjos produtivos com a competitividade e o desenvolvimento local sustentável. Tese. Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, 2010.

UK Department of Trade and Industry. Biotechnology Clusters: report of a Team Led by Lord Sainsbury, Minister for Science, 1999. Disponível em: <http://www.dti.gov. uk/biotechclusters>. Acesso em: 8 abr. 2016.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

ZACCARELLI, S.B., TELLES, R., SIQUEIRA, J.P.L., BOAVENTURA, J.M.G., DONAIRE, D. Clusters e redes de negócios: uma nova visão para a gestão dos negócios. São Paulo: Atlas, 2008.

Downloads

Publicado

2016-09-01

Edição

Seção

Artigos Científicos