Gestão de conflitos em um complexo penitenciário de segurança máxima no estado de Santa Catarina

Autores

  • Jacir Leonir Casagrande Universidade do Sul de Santa Catarina - UNISUL
  • Karini Regina Homem Universidade do Sul de Santa Catarina - UNISUL
  • Nei Antônio Nunes Universidade do Sul de Santa Catarina - UNISUL
  • Louise Corseuil Universidade do Sul de Santa Catarina - UNISUL
  • Joici Lilian Rodrigues Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC

DOI:

https://doi.org/10.19177/reen.v8e12015264-293

Palavras-chave:

Gestão de Conflitos, Segurança, Ensino, Sistema Penitenciário.

Resumo

Este artigo se propõe analisar a gestão de conflitos entre agentes táticos e agentes pedagógicos em um Complexo Penitenciário de Segurança Máxima sediado no estado de Santa Catarina. A pesquisa utiliza uma abordagem qualitativa com Análise de Discurso em um estudo de caso interpretativo. Foram realizadas entrevistas semiestruturadas, em meados de 2014, com agentes e professores prisionais. Buscou-se identificar o que tem motivado os conflitos, entendidos como fenômenos comportamentais e organizacionais. Os dados mostraram que é premente uma mudança de mentalidade dos gestores e profissionais que desenvolvem atividades no Complexo Penitenciário, e fomentar novas experiências de gestão em presídios. 

 

Biografia do Autor

Jacir Leonir Casagrande, Universidade do Sul de Santa Catarina - UNISUL

Professor Permanente e Coordenador do Mestrado em Administração da UNISUL

Doutor em Engenharia da Produção - UFSC

Karini Regina Homem, Universidade do Sul de Santa Catarina - UNISUL

Mestranda em Administração

Nei Antônio Nunes, Universidade do Sul de Santa Catarina - UNISUL

Professor do Mestrado em Administração da UNISUL

Doutor em Sociologia Política - UFSC

Louise Corseuil, Universidade do Sul de Santa Catarina - UNISUL

Graduanda do Curso de Direito da UNISUL

Joici Lilian Rodrigues, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC

Mestranda em Administração

Referências

ANDRADE, Maria Margarida de. Introdução à metodologia do trabalho científico. 10 ed. São Paulo: Atlas, 2010.

ALAVI, M.; CARLSON, P. A review of MIS research and disciplinary development. Journal of Management Information Systems, v. 8, n. 4, 1992.

BECCARIA, C. Dos delitos e das penas. Lisboa: Edição da Fundação Calouste Gulbenkian, 2007.

BENTHAM, J. O panóptico ou a casa de inspeção. In: SILVA, Tomaz T. da (Org.). O panóptico. Belo Horizonte: Autêntica, 2000, p. 11-74.

BLAKE, R.; MOUTON, J. El aspecto humano de la productividad. Bilbao: Deusto, 1986.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil, Brasília,DF, Senado, 1988.

BRASIL. Lei n.º 7.210, de 11 de Julho de 1984. Código de Processo Penal. 7º. ed. São Paulo: Saraiva, 2009.

BRASIL. Lei de Execução Penal, nº 7.210, de 11 de novembro de 1984, dispõe sobre a execução penal no Brasil. Código de Processo Penal. São Paulo: Editora Saraiva, 2002.

BOGDAN, R.; TAYLOR, S. Introduction to qualitative research methods: Aphenomenological approach to the social sciences. New York: J. Wiley, 1975.

CAMILO, E. Noção de problema em Relações Públicas: contributos para uma sistematização. S/Ed., 2002.

CUNHA, P.; LEITÃO, S. Manual de Gestão Construtiva de Conflitos. Porto, Edições Universidade Fernando Pessoa, 2011.

CHANLAT, J. F. O indivíduo na organização: dimensões esquecidas - A gestão de conflitos nas organizações. São Paulo: Atlas, 1996.

DEJOURS, Christophe. A banalização da injustiça social. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2014.

DIMAS, I. D.; LOURENÇO, P.R. & MIGUEZ, J. Conflitos e Desenvolvimento nos Grupos e Equipas de Trabalho – uma abordagem integrada, Psychologica, 2005.

DINIZ, E. Globalização, reformas econômicas e elites empresariais: Brasil anos 1990. 2. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2004.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 1987.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1999.

FOUCAULT, M. Arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2000.

FOUCAULT, M. Ditos e escritos: IV - Estratégia, poder-saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003.

FOUCAULT, M. Ditos e escritos: VIII - Segurança, penalidade e prisão. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012.

FOUCAULT, M. Ditos e escritos: XIX – Genealogia da ética, subjetividade e sexualidade. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2014.

GIL, A.C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

JUSBRASIL. Revista Eletrônica Jus Brasil Educação Jurídica, Política e Gestão Pública. Disponível em: . Acesso em: 12 de set. de 2014.

LEITE, A. L. A mediação penal de adultos: Um novo “paradigma” de justiça? Análise crítica da Lei nº 21/2007, de 12 de junho. Coimbra: Coimbra Editora, 2008.

MORGAN, G. Imagens da Organização, Trad. Cecília W. Bergamini e Roberto Coda, São Paulo: Atlas, 1996.

MOSCOVICI, S. Sociedade contra natureza. Petrópolis: Vozes, 1975.

MOTTA, P. R. Gestão contemporânea: a ciência e a arte de ser dirigente. 15 ed. Rio de Janeiro: Record, 2004.

NUNES, N. A. Agamben e o conceito de estado de exceção. Revista de Direito, Florianópolis, n. 3, p. 201-207, jul./dez. 2007.

PEREIRA, J.; GOMES, B. Conflito – Gestão do Conflito. Coimbra: Instituto Politécnico de Coimbra, 2007.

PORTUGUES, M. R. Educação de Adultos Presos. Revista Educação e Pesquisa, v. 27, n. 2, São Paulo, 2001.

PRUITT, D. G.; KIM, S. H. Social Conflict: Escalation, Stalemate and Settlement. New York: McGraw Hill, 2004.

QUINN, R. E. et al. Competências Gerenciais: princípios e aplicações. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.

SABADEL, A. L. Manual de sociologia jurídica: introdução à uma leitura externa do direito. 4 ed., rev. atual. e ampl. São Paulo: Revista do Tribunais. 2008.

SANTOS, J.R. R. Práticas de segurança nas unidades penais do Paraná. Curitiba, 2011.

SCHERMERHORN, Jr.; HUNT, J. G.; OSBORN, R.N. Fundamentos de Comportamento Organizacional. 2 ed. Porto Alegre: Bookman, 1998.

TEIXEIRA, C. Relato de experiência na educação carcerária. Rev. Educação. São Paulo: 2007.

TRAGTEMBERG, M. Administração, poder e ideologia. 1 ed. São Paulo: UNESP, 1971.

Downloads

Publicado

2015-04-29

Edição

Seção

Artigos Científicos