Índice de processibilidade para tomada de decisão como apoio ao planejamento estratégico

Autores

  • Rafael Alvise Alberti UNISC - Universidade de Santa Cruz do Sul
  • Elpidio Oscar Benitez Nara UNISC - Universidade de Santa Cruz do Sul
  • João Carlos Furtado Universidade de Santa Cruz do Sul - UNISC
  • Liane Mahlmann Kipper UNISC - Universidade de Santa Cruz do Sul
  • Julio Cezar Mairesse Siluk Universidade Federal de Santa Maria - UFSM

DOI:

https://doi.org/10.19177/reen.v7e22014191-220

Palavras-chave:

Processibilidade, índice, planejamento estratégico, gestão por processos, mudanças organizacionais

Resumo

Constantes mudanças da economia instigam pensamentos empresariais sob o olhar dos processos organizacionais. Através de pesquisa exploratório-qualitativa foram reconhecidas as características das organizações horizontais, de processos e suas abordagens, a fim de obter uma definição de processibilidade em gestão. Posteriormente foi avaliado o Índice de Processibilidade (GONÇALVES, 2000b) através de análise lógico-dedutiva, verificando a não abrangência às principais características organizacionais. Foram acrescidos novos fatores, complementando-o e propondo um novo índice. A pesquisa logra perspectivas futuras, pois este índice apenas se faz relevante frente a uma base de dados que categorize o valor encontrado, desta forma, norteando melhores decisões gerenciais.

 

Biografia do Autor

Rafael Alvise Alberti, UNISC - Universidade de Santa Cruz do Sul

Engenheiro de Produção (UNISC)

Mestrando em Sistemas e Processos Industriais (PPGSPI - UNISC)

Elpidio Oscar Benitez Nara, UNISC - Universidade de Santa Cruz do Sul

Possui Graduação em Engenharia Mecânica pela Universidade Federal de Santa Maria (1986), Mestrado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Maria (1997) e Doutorado em Gestão da Qualidade e Produtividade pela Universidade Federal de Santa Catarina (2005). Atualmente é PROFESSOR ADJUNTO da Universidade de Santa Cruz do Sul atuando nos cursos de graduação em Engenharia de Produção e Mecânica e no programa de Mestrado em Sistemas e Processos industriais.. Tem experiência na área de Administração e Engenharia com ênfase em Administração da Produção e Engenharia de Produção atuando principalmente nos seguintes temas: Qualidade total, Gestão Empresarial, Planejamento Industrial, Gestão por processos e Gestão Ambiental. Foi Chefe do Departamento de Engenharia, Arquitetura e Ciências Agrárias da Unisc; Coordenador do programa Universidade -Empresa; Membro do Sebrae- RS; Membro do comitê setorial industrial do CREA-RS; Coordenador do berçario industrial do município de Santa Cruz Do Sul e diretor industrial da REBELLI. Gerente industrial da empresa metalúrgica MOR S.A. Foi consultor em varias empresas do pais.Coordenou vários cursos de pós graduação

João Carlos Furtado, Universidade de Santa Cruz do Sul - UNISC

Doutorado em Computação Aplicada pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais em 1998. Atualmente é Professor Adjunto da Universidade de Santa Cruz do Sul. É professor nos cursos de Ciência da Computação, Engenharia de Computação, Engenharia de Produção e no Programa de Pós-Graduação em Sistemas e Processos Industriais - PPGSPI. Orientou e orienta trabalhos de iniciação científica e alunos de mestrado. Foi chefe do Departamento de Informática-UNISC e coordenador do PPGSPI-UNISC. Tem pesquisado métodos de otimização na resolução de problemas industriais.

Liane Mahlmann Kipper, UNISC - Universidade de Santa Cruz do Sul

Doutorado em Engenharia de Produção , Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Brasil. Possui Licenciatura Plena Em Física pela Universidade of Santa Cruz do Sul (1986), Mestrado em Física pela  Universidade Federal de santa Catarina (1991) e Doutorado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina (2005). Atualmente é professora titular da Universidade de Santa Cruz do Sul e Coordenadora do Mestrado em Sistemas e Processos Industriais. Atua no Programa de Pós-Graduação em Sistemas e Processos Industriais nas áreas de gestão e gerenciamento de processos e métodos e técnicas de pesquisa desenvolvendo atividades principalmente nos seguintes temas: melhoria de processos, sistemas enxutos: inovação e proteção do conhecimento; na área ambiental em: segregação de resíduos (coleta seletiva), reciclagem, polímeros, gerenciamento ambiental; e em gestão por processos e tecnologias para otimização e melhoria de processos. Tem também experiência na área de Física, com ênfase Mecânica, CiênciasTérmicas, Ótica e Física Experimental. De 1995 até 2009 atou junto a gestão universitária em especial nas áreas de pesquisa e pós-graduação (lato sensu e stricto sensu). Atualmente trabalha junto aos cursos de graduação da área tecnológica da UNISC e junto ao Mestrado em Sistemas e Processos Industriais nas áreas de gestão de processos e gestão do conhecimento.

 

Julio Cezar Mairesse Siluk, Universidade Federal de Santa Maria - UFSM

Possui graduação em Administração pela Universidade Federal de Santa Maria (1987), mestrado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Maria (2001) e doutorado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina (2007). Atualmente é professor da Universidade Federal de Santa Maria. Tem experiência na área de Engenharia de Produção e Administração, atuando principalmente nos seguintes temas: Gestão Estratégica, Inovação e Competitividade, Avaliação de Desempenho, Planejamento Estratégico, Indicadores de Desempenho, Análise de Investimentos e Balanced Scorecard.

Referências

ABPMP. Association of Business Process Management Professionals, Guide to the Business Process Management Common Body of Knowledge (BPM CBOK®), v. 2. 2009.

ALBUQUERQUE, J.P. Flexibilidade e modelagem de processos de negócio: uma relação multidimensional. RAE – Revista de Administração de Empresas. vol. 52, no.3, São Paulo, Mai./Jun. 2012.

AYRES, T. C. de S. Da escola tradicional á gestão por processos: uma perspectiva. In: IX SIMPÓSIO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO - SIMPEP, São Paulo. Anais... 2002.

BATEN, K. Processability Theory and German Case Acquisition. Language Learning. Vol 61. N.2, pp. 455–505, 2011.

BITENCOURT, C. S.; PANDOLFELLI, V. C. Refratários contendo carbono: propriedades, características e variáveis em sua composição. Cerâmica. São Paulo, v. 59, n. 349, Mar. 2013.

BORGES, J. Desenvolvimento de um modelo neurofuzzy de rede neural artificial para aplicação em processamento de materiais poliméricos. IJIE – Iberoamerican Journal of Industrial Engineering, v. 3, n. 1, p. 62-79, Jul. 2011.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988.

BREENE, R.T.; NUNES, P.F.; SHILL, W.E. The chief strategy officer. Harvard Business Review, v. 85, n. 10, p. 84-93, 2007.

BRITO, R.P.; BRITO, L. A. L. Vantagem Competitiva, Criação de valor e seus efeitos sobre o Desempenho. RAE - Revista de Administração de Empresas, v. 52, n.1, São Paulo, Jan./Fev. 2012.

CARPENTER, S. K.; WILFORD, M. M.; KORNELL, N.; MULLANEY, K. M. Appearances can be deceiving: instructor fluency increases perceptions of learning without increasing actual learning. Psychonomic Bulletin & Review, v. 20, n. 6, p. 1350-1356, dez. 2013.

CATEN, C. S.; FRANZ, L. A. dos S. Aplicação e Análise do Seis Sigma em uma Indústria do Ramo Petroquímico. In: II Semana de Produção e Transportes. Porto Alegre, Brasil. Anais... Brasil, 2002.

CHERMAN, A.; ROCHA-PINTO, S. R. Valoração do conhecimento: significação e identidade na ação organizacional. RAE – Revista de Administração de Empresa, v.53, n.2, São Paulo Mar./Abr. 2013.

COX, R.F.; ISSA, R.R.A.; AHERNS, D.. Management’s perception of key performance indicators for construction. Journal of Construction Engineering and Management , v. 129, n. 2,p. 142 - 151, 2003.

CUMMINGS, S.; DAELLENBACH, U. A guide to the future of strategy: the history of long range planning. Long Range Planning. v. 42, n. 2, p. 234-63, 2009.

DAVENPORT, T. H. The new industrial engineering: information technology and business process redesign. Sloan Management Review, v. 31, n. 4, p. 11-27, 1990.

DAVENPORT, T. Reengenharia de processos. Rio de Janeiro: Campus, 1994.

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. O Planejamento da Pesquisa Qualitativa: teorias e abordagens. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2000.

FREDERICO, G. F.; TOLEDO, J. C. A Gestão por Processos: um estudo de caso de um operador logístico. IN: XXVIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO -ENEGEP, Rio de Janeiro, Anais... 2008.

FUENTE-SABATE´, J.M.; de la RODRIGUEZ-PUERTA, J.; VICENTE-LORENTE, J.; ZUNIGA-VICENTE, J.A. Do stable strategic time periods exist? Towards new methodological and theoretical insights. Managerial & Decision Economics, v. 28, n. 3, p. 171-80, 2007.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. Ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GONÇALVES, J. E. L. Os novos desafios da empresa do futuro. RAE - Revista de Administração de Empresas, v. 37, n. 3, p. 10-19, Jul./Set. 1997.

GONÇALVES, J. E. L. As empresas são grandes coleções de processo. RAE . Revista de Administração de Empresas, v. 40, n. 1, p. 6-19, Jan./Mar. 2000a.

GONÇALVES, J. E. L. Processo, que processo? RAE - Revista de Administração de Empresas, v. 40, n. 4, p. 6-19, Out/Dez. 2000b.

GONÇALVES, J. E. L. Gestão por Processos: uma visão prática. In: WOOD JR, T. (Cood.). Gestão Empresarial: oito propostas para o terceiro milênio. São Paulo: Atlas, 2001.

HAMMER, M.; STANTON, S. How process enterprises really work. Harvard Business Review, v. 77, n. 6, p. 108-118, Nov./Dec. 1999.

HARRINGTON, J. Business process improvement. New York: McGraw Hill, 1991.

HARRISON, E. F. Strategic planning maturities: Shows the dynamic interrelationship between planning horizons and strategic planning maturities. Management Decision, v. 33, n. 2, p. 48 55, 1995.

IDEN, J. Investigating process management in firms with quality systems: a multi-case study. Business Process Management Journal, v. 18 n. 1, p. 104-121, 2012.

JACOBS, G; KIPPER, L. M.; ELLWANGER, M.C.; FROZZA, R.; NARA, E. O. B. Por onde começar a gestão por processos? Uma análise sobre metodologias. In: XVI SIMPÓSIO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO - SIMPEP, São Paulo. Anais... 2009.

KANTER, R. M. Frontiers of management. Cambridge: Harvard Business School Press, 1997.

KAUFMANN, L.; BECKER, A. Overcoming the Barriers During Implementation and Use of the Balanced Scorecard by Multinational Companies in Brazil. Latin American Business Review, v. 6, n. 3, p. 39-61, 2005.

KEEN, P. G. The process edge. Cambridge: Harvard Business School Press, 1997.

KIPPER, L. M.; ELLWANGER, M. C.; JACOBS, G.; NARA, E. O. B.; FROZZA, R. Gestão por processos: comparação e análise entre metodologias para implantação da gestão orientada a processos e seus principais conceitos. TECNO-LÓGICA, v. 15, n. 2, p. 89-99, jul./dez. 2011.

LAURINDO J. B.; ROTONDARO, G. Gestão integrada de processos e da Tecnologia da Informação. São Paulo: Atlas, 2006.

LISINSKI, M.; SARUCKIJ, M. Principles of the Application of Strategic Planning Methods. Journal of Business Economics and Management, v. VII, n. 2, p. 37–43, 2006.

MARANHÃO, M.; MACIEIRA, M.E. O processo nosso da cada dia: modelagem de processos de trabalho. 1. Ed. Rio de Janeiro. Qualitymark Editora, 2008.

MARCINIUK, R. M. B. A teoria da processabilidade e a aquisição de L2. ANALECTA. Guarapuava, Paraná, v.8, n. 2, p.11-27, jul./dez. 2007.

MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

MARTINHO, G.B.; ROTONDARO, R. G. Aplicação da gestão por processos em empresa do setor de varejo de supermercados: estudo de caso. In: XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO - ENEGEP, Salvador. Anais... 2009.

MELLO, Ivana L.; et al . Influência das características estruturais sobre a processabilidade do polibutadieno alto cis. Polímeros. São Carlos, v. 14, n. 4, 2004.

MENDES, F. I.; KIPPER, L. M.; NARA, E. O. B. Gestão por processos: uma metodologia para gerenciamento de projetos na indústria. In: VIII CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO, Rio de Janeiro. Anais… 2012.

MELNYK, S.A., STEWART, D.M. and SWINK, M. Metrics and performance measurement in operations management: dealing with the metrics maze. Journal of Operations Management, v. 22, p. 209-217, 2004.

MINTZBERG, H. Criando Organizações Eficazes: Estruturas em Cinco Configurações. 2 ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MOHRMAN, S.; et al. Designing team-based organizations. San Francisco: Jossey-Bass, 1995.

MONTEIRO, J. M.; SORDI, J. O. de. Gestão por processos de negócios uma ferramenta de orquestração da cadeia logística. In: XV SIMPÓSIO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO – SIMPEP. São Paulo. Anais... 2008

MÜLLER, C. J. A managerial model that integrates Strategic Planning, Business-Process Management and Performance Evaluation (MEIO – Modelo de Estratégia, Indicadores e Operações). Tese (Doutorado em Engenharia) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2003.

NARA, E.O.B; CLANE, S.R. Mapa estratégico, uma representação gráfica do balanced scorecard, ferramenta para otimização da tomada de decisões: Estudo de caso de uma indústria de porte médio”, In. XII SIMPÓSIO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO – SIMPEP. Bauru. Anais... 2005.

NARA, E. O. B.; KIPPER, L. M.; LIMA, C. C. B.; STORCH, L. A. A visão da gestão por processos em seus diferentes níveis – estudo de caso de maturidade de processos. In: VIII CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO, Rio de Janeiro. Anais... 2012.

NARA, E .O. B.; KIPPER, L. M.; BENITEZ, L. B.; FORGIARINI, G.; MAZZINI, E. Strategies used by a meatpacking company for market competition. Business Strategy Series, v. 14, n. 2/3, p.72 – 79, 2013.

NETTO, C. A. A. Definindo gestão por processos: características, vantagens, desvantagens, in: LAURINDO, F. e ROTONDARO, R. (Eds), Gestão integrada de processos e da tecnologia de Informação. São Paulo, Atlas, p. 14-37. 2006.

PAIM, R.; CARDOSO, V.; CAULLIRAUX, H.; CLEMENTE, R. Gestão de Processo: pensar, agir e aprender. Porto Alegre: Bookman, 2009.

ROGRIGUES, J. da S. FUJIYAMA, Roberto Tetsuo. OLIVEIRA, Dênio Raman Carvalho. Análise fractográfica de compósitos de matriz poliéster e resíduos da indústria madeireira. In. VI Congresso Nacional de Engenharia Mecânica. Paraíba, Brasil. Anais... Brasil 2010.

RUMMLER, G.; BRACHE, A.; Improving performance. San Francisco: Jossey-Bass, 1997.

SALERNO, M. S. Mudança Organizacional e trabalho direto em função de flexibilidade e performance da produção industrial. Produção, v. 4, n. 1, p. 5-22, 1994.

SCHIAR, L.; DOMINGUES, J. Organizações voltadas para processos: um paralelo com as organizações funcionais. In: XXII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO – ENEGEP. Curitiba. Anais... 2002.

SCHÜTZ, A. B. B.; DORFEY, D. E.; KIPPER, L. M.; NARA, E. O. B. Gestão por processos e estruturas organizacionais: um estudo teórico sobre artigos publicados em eventos científicos. In: XVIII SIMPÓSIO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO – SIMPEP. São Paulo. Anais… 2011.

SETIJONO, D; DAHLGAARD, J.J. Customer value as a key performance indicator (KPI) and a key improvement indicator (KII). Measuring Business Excellence, v. 11, n. 2, p. 44-61, 2007.

SEVERINO, A. J. Metodologia do Trabalho Científico, São Paulo, Cortez, 2004.

STONEHOUSE, G.; PEMBERTON, J. Strategic planning in SMEs-some empirical findings. Management Decision, v. 40, n. 9, p. 853-61, 2002.

STORCH, L.A; NARA, E.O.B; KIPPER,L.M. The use of process management based on a systemic approach. International Journal of Productivity and Performance Management, v. 62, n. 7, 2013.

TACHIZAWA, T. Organização Flexível: qualidade na gestão por processos. São Paulo: Atlas, 1997.

TOOR, S.R., OGUNLANA, S.O. Beyond the ‘iron triangle’: Stakeholder perception of key performance indicators (KPIs) for large-scale public sector development projects. International Journal of Project Management, v.28, p. 228–236, 2010.

VASCONCELOS, F. C.; CYRINO, Á. B. Vantagem Competitiva: os Modelos Teóricos Atuais e a Convergência Entre Estratégia e Teoria Organizacional. RAE-Revista de Administração de Empresas, v. 40, n. 4, São Paulo, Out./Dez. 2000.

YU, I.; KIM, K.; JUNG, Y.; CHIN, S. Comparable Performance Measurement System for Construction Companies. Journal of Management in Engineering, v. 23, n. 3, p. 131- 139, 2007.

ZITEK, E. M.; TIEDENS, L. Z. The Fluency of Social Hierarchy: The Ease With Which Hierarchical Relationships Are Seen, Remembered, Learned, and Liked. Journal of Personality and Social Psychology, v. 102, n. 1, p. 98 -115, 2012.

Downloads

Publicado

2014-08-26

Edição

Seção

Artigos Científicos